sicnot

Perfil

País

Reformado faz aldeia do concelho de Fornos de Algodres em miniatura

Um homem de 69 anos, residente em Infias, no concelho de Fornos de Algodres, está a reproduzir essa aldeia em miniatura, para satisfação dos vizinhos que gostam de ver as casas e os monumentos em formato reduzido.

Lusa

Lusa

José António Costa, que foi chefe de pessoal auxiliar na Escola C+S de Fornos de Algodres, decidiu dedicar-se ao passatempo da construção da aldeia em ponto pequeno depois de se ter reformado.

"Há quatro anos comecei a fazer a igreja (...) e depois entusiasmei-me e comecei a fazer a minha casa", contou à agência Lusa.

Como gostou do trabalho inicial, avançou para a construção miniatural de todas as casas da aldeia de Infias, que dista três quilómetros da vila de Fornos de Algodres, no distrito da Guarda, apontando que falta fazer menos de um terço da povoação. "Falta do cemitério para cima. O resto já está tudo feito", precisa.

Na construção das casas usa esferovite, que é revestido com cortiça. Utiliza fósforos para as portas, janelas e gradeamentos, e pedaços de madeira para fazer as chaminés, os telhados, e outros pormenores das construções.

Por falta de material, ultimamente não tem feito as pequenas edificações, mas o artesão espera retomar o trabalho em breve para terminar de construir toda a localidade a uma escala reduzida.

"Será um orgulho tentar fazer a aldeia toda completa, que fica mais bonita", referiu, indicando que já executou cerca de cem construções.

Antes de fazer as reproduções em miniatura, o reformado fotografa ou filma os edifícios.

O processo de construção, que é minucioso e requer muita paciência, é feito "devagarinho", indica.

Como não trabalha "horas seguidas", não sabe calcular o tempo que já gastou no projeto, pois muitos trabalhos são feitos à noite, após fechar o café que detém na localidade.

"Uma casa pode levar quatro a cinco horas a fazer, mas como tem que secar, por causa da cola, leva mais tempo. Estão aqui milhares de horas", garante o reformado, que faz as obras "para passar o tempo".

As peças em miniatura estão atualmente acondicionadas em prateleiras, no escritório de José António Costa.

O artesão, que não vende as obras, gostava que, um dia, elas ficassem na sua casa, num espaço "tipo museu", embora admita que pudessem ser expostas temporariamente na Junta de Freguesia, para ficarem à vista de todos.

O trabalho é valorizado pela esposa do artesão, Guilhermina Costa, de 61 anos, ao afirmar que "nunca tinha visto assim ninguém com este interesse, porque é [um trabalho que abrange toda] a aldeia".

"Que viva muitos anos para a acabar, porque a aldeia [em pequenas dimensões] ainda não está pronta", desejou.

A habitante Maria dos Prazeres, de 71 anos, que já tem a casa feita em escala reduzida, diz que a obra "está bonita, está perfeita, está feita com carinho e com amor, porque nem toda a gente faz isto".

"Está espetacular, pode continuar, que está um trabalho bonito", disse à Lusa a moradora Luísa Gomes, de 64 anos, que também aprova o projeto de feitura da aldeia de Infias em miniatura.

  • DJ Avicii morre aos 28 anos

    Cultura

    Tim Bergling, conhecido por Avicii e um dos mais famosos DJ's do mundo, morreu aos 28 anos. A notícia foi avançada pelo site TMZ, que adianta que o DJ e produtor sueco foi encontrado morto esta sexta-feira em Muscat, em Omã, e os detalhes da morte ainda não são conhecidos.

    SIC

  • ERSE concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões euros a mais à EDP
    0:53

    País

    José Gomes Ferreira afirmou esta sexta-feira que a ERSE -Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos concluiu que estavam a ser pagos 165 milhões de euros a mais do que o necessário à EDP. Contratos que foram postos em prática em 2007 por Manuel Pinho, na altura ministro da Economia.

  • "Não andámos a tomar calmantes, nem a dar abracinhos"
    0:52

    Desporto

    Rui Vitória recusa atirar a toalha ao chão. O treinador do Benfica acredita que ainda muito pode acontecer e revela a motivação da equipa depois da derrota com o FC Porto na Luz, que levou à perda da liderança a quatro jornadas do fim.

  • Porque erram os árbitros?
    2:03

    Desporto

    Num momento em que a polémica em redor da arbitragem está acesa e que nem o videoárbitro parece ter contribuído para a pacificar o futebol, em Leiria juntaram-se treinadores e homens do apito para se entender porque erram os árbitros.

  • "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos"

    Mundo

    "Se não querem que vos baixem as calças, não se tornem modelos", esta foi apenas uma das declarações de Karl Lagerfeld sobre as denúncias de abuso sexual, que estão a marcar o mundo do cinema, da música e da moda. Numa entrevista, o diretor criativo da Chanel e da Fendi declarou mesmo que estava farto do #MeToo, o movimento usado para denunciar estes casos de abusos por todo o mundo.

    SIC

  • Viagem de balão para ver as cerejeiras em flor
    14:27
  • Niassa foi o 4.º lince-ibérico libertado a ser atropelado em Portugal
    1:33

    País

    Uma fêmea de lince-ibérico foi encontrada morta com sinais de atropelamento na A22, próximo de Olhão. A fêmea, criada em cativeiro, tinha sido libertada no Vale do Guadiana em fevereiro de 2017. É o quarto lince-ibérico, que tinha sido libertado na natureza, que morre atropelado em Portugal.

  • "Há uma aceitação do lince no território"
    3:33

    País

    Apesar de já se terem registado em Portugal quatro atropelamentos de linces libertados na natureza, em entrevista à SIC, Pedro Rocha, do Departamento do Alentejo do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), disse que o programa de reintrodução "tem corrido bastante bem", não só devido às condições do habitat e disponibilidade de alimento, mas também porque "há uma aceitação do lince no território". Desde 2015, foram libertados no Vale do Guadiana 33 linces e 16 já nasceram em estado selvagem.

  • EUA acusam Síria de tentar apagar provas de alegado ataque químico em Douma
    1:28
  • Já pode escolher uma morte amiga do ambiente

    Mundo

    Preocupa-se com o ambiente? Recicla? Prefere andar a pé ou partilhar transportes? Então saiba que a partir de agora a morte também pode ser amiga do ambiente. Desde caixões degradáveis de vime a cremação líquida, já é possível diminuir o impacto ambiental da morte.

    SIC

  • O "anjo" que quer ensinar raparigas a programar
    2:59