sicnot

Perfil

País

Listas de professores tem quase 47 mil candidaturas para 100 vagas

As listas provisórias do concurso extraordinário para colocação de professores, foram hoje divulgadas: este ano, há quase 47 mil candidaturas para apenas 100 vagas no quadro.

© Ints Kalnins / Reuters

As listas provisórias foram divulgadas na página da Direcção-Geral da Administração Escolar. Ao todo foram aceites 46 mil 941 candidaturas, sendo que 3 mil 237 acabaram por ser excluídas. Em alguns casos por falta de documentação, outros por não respeitarem os critérios exigidos.

O maior número de docentes, candidatos a um lugar no quadro, é mais uma vez para o 1º ciclo, depois para a Educação Especial e logo a seguir para professores de Português do 3º ciclo e secundário.

Os docentes só vão conhecer os resultados finais na primeira quinzena de julho, quando forem divulgadas as listas definitivas. Cada candidato pode entregar várias candidaturas.

  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Recuo na saúde é primeira derrota de peso para Donald Trump
    1:18

    Mundo

    O Presidente norte-americano sofreu esta sexta-feira uma derrota de peso. O líder da Câmara dos Representantes retirou a proposta do plano de saúde de Trump, que se preparava para um chumbo na câmara baixa do Congresso. Para já, mantém-se o Obamacare.

  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.