sicnot

Perfil

País

Margens do Tejo ligadas por ciclovias "nos próximos anos", prevê Fernando Medina

O presidente da Câmara de Lisboa congratulou-se esta quarta-feira com a aposta feita pelos municípios da área metropolitana na mobilidade ciclável, que permitirá, a seu ver, unir as duas margens do Rio Tejo "nos próximos anos".

MÁRIO CRUZ/LUSA

"Na Área Metropolitana de Lisboa, houve um acordo entre os municípios, dentro de um conjunto de verbas muito reduzidas de fundos comunitários, de apresentar um projeto comum para a conclusão das redes de ciclovias de cada município [...] e depois para a ligação entre elas", disse Fernando Medina (PS).

O autarca - que falava no centro de congressos de Lisboa, numa reunião descentralizada do município para ouvir munícipes de Belém, Ajuda e Alcântara - salientou que este é um "projeto comum, que envolve os municípios quer da margem norte ou da margem sul".

Apontando o trabalho que está a ser desenvolvido por Vila Franca de Xira, Loures, Oeiras, Cascais, Almada e Barreiro, o responsável frisou que "o objetivo é que estas duas margens disponham de uma rede integral de ciclovias o mais alargada possível".

Em Lisboa, será feita uma aposta em "toda a frente ribeirinha".

"É isto que vai estar em curso, com ritmos diferentes em função da disponibilidade de cada município, e é isto que vai unir as duas margens nos próximos anos", adiantou.

O tema foi trazido ao encontro por moradores que solicitaram melhores condições para andar de bicicleta, nomeadamente junto ao rio.

"Fico muito agradado por haver dois munícipes a falar de ciclovias e que querem mais", observou, por seu turno, o vereador da Estrutura Verde da autarquia, José Sá Fernandes.

Sem avançar detalhes, o autarca revelou que a Câmara de Lisboa vai "apresentar um projeto de alargamento das ciclovias e de melhoria das que existem".

De acordo com o responsável, a rede passará de 70 para 90 quilómetros e será "melhorada em pintura e sinalética".

"Em breve será anunciada essa rede, porque ainda estamos a discutir com algumas freguesias", referiu Sá Fernandes, assegurando que se pretende que a bicicleta seja também usada "para ir para o trabalho" e não só para lazer.

Projeta-se, por isso, uma ligação da rede a parques de estacionamento, avançou.

Também presente, o vice-presidente do município e vereador das Estruturas de Proximidade, Duarte Cordeiro, informou que a autarquia pretende colocar um sanitário público junto ao Mosteiro dos Jerónimos, para o qual aguarda autorização da Direção-Geral do Património Cultural.

Já concluída está a casa de banho pública ao pé da Torre de Belém, que está a "aguardar vistoria da EPAL [Empresa Portuguesa Das Águas Livres]" para entrar em funcionamento.

Antes, o munícipe Álvaro da Costa Santos solicitou à Câmara a colocação urgente de sanitários públicos em Belém.

"É uma vergonha presenciarmos que as excursões que ali vêm, tanto da província como do estrangeiro, continuam a fazer as necessidades junto dos pinheiros", lamentou.

Álvaro da Costa Santos criticou também a falta de uma "passagem pedonal para deficientes" na zona.

Em resposta, Duarte Cordeiro indicou que a instalação de duas plataformas elevatórias "será uma realidade em breve".

Lusa

  • Jovem que morreu numa estância de esqui em Espanha sofreu um aneurisma
    1:26
  • Cunhado do Rei de Espanha em liberdade sem caução

    Mundo

    Inaki Urdangarin vai mesmo aguardar o desenrolar do recurso em liberdade na Suíça, onde o marido da Infanta Cristina tem residência oficial e onde terá de se apresentar às autoridades uma vez por mês, para além de estar obrigado a comunicar qualquer deslocação fora da Europa. De fora fica ainda o pagamento da caução de 200 mil euros pedida pelo Ministério Público espanhol.

  • Três letras de Zeca Afonso

    Cultura

    No dia em que se assinalam 30 anos da morte de Zeca Afonso, Raquel Marinho, jornalista da SIC e divulgadora de poesia portuguesa contemporânea, escolhe três letras do cantor e autor para dizer, em forma de homenagem.

    Raquel Marinho

  • Compensa comprar a granel?
    8:39
  • "Isto é uma mentira e tem carimbo de Estado"
    2:12

    Opinião

    O preço das botijas de gás em Portugal duplicou nos últimos 15 anos. José Gomes Ferreira esteve no Jornal da Noite, da SIC, onde explicou este aumento, lembrando que a classe política prometeu que se houvesse mais empresas a operar no mercado, os preços desciam. Contudo, José Gomes Ferreira diz que "isto é uma mentira e tem carimbo de Estado". O Diretor-Adjunto de Informação SIC explicou que como o mercado é livre, os operadores vendem aos preços mais altos que podem, deste modo os preços não variam muito entre uns e outros.

    José Gomes Ferreira