sicnot

Perfil

País

Lisboetas chamados ao Marquês para buzinar contra obras

Um grupo de cidadãos promove a partir das 18:30 de hoje, na praça do Marquês de Pombal, um buzinão para lisboetas indignados com as obras de requalificação da Câmara de Lisboa no Saldanha e em Picoas.

Luís Andrade, um dos promotores da iniciativa, explicou à agência Lusa que o protesto é dirigido aos "lisboetas em geral que queiram manifestar a sua indignação", mas de forma "perfeitamente pacífica".

"Não vamos complicar nada, é só buzinar e continuar. Não vamos parar o trânsito, nem é o que se pretende", salientou.

Sobre a organização da iniciativa, apontou que estão "várias pessoas [envolvidas], não são só moradores", que se decidiram juntar porque "havia um grande desconhecimento em relação ao projeto".

"Achámos que o projeto estava pouco explicado e que era importante que as pessoas tivessem conhecimento", insistiu Luís Andrade, esperando que se consiga suspendê-lo para discussão "e depois, eventualmente, recomeçar a obra mas com o projeto alterado".

Outro dos objetivos é chegar à fala com o presidente do município, Fernando Medina (PS): "Nós vamos pedir uma reunião com o senhor presidente da Câmara para ver se conseguimos obter algumas informações".

Para Luís Andrade, "uma das grandes dificuldades" reside em "perceber o que vai acontecer ao tráfego que passa pelo dito Eixo Central, que agora perde vias".

"Para onde é que este tráfego vai, que impacto é que vai ter noutras zonas da cidade e como é que isso vai ser mitigado? São coisas que gostaríamos de ver explicadas e de que não conseguimos, até ao momento, ter uma explicação real", indicou.

Referindo que durante o fim de semana estiveram paradas as intervenções iniciadas há uma semana nas avenidas Fontes Pereira de Melo e da República, junto a Entrecampos, o munícipe sustentou que "para uma obra destas, numa zona sensível, faria sentido que ao fim de semana houvesse trabalhos, até para impedir transtornos para quem circula ali diariamente".

Nestes primeiros dias (a empreitada arrancou na semana passada), Luís Andrade notou "muito mais trânsito, muito mais complicação com o tráfego, muito mais barulho e muito mais poluição".

No evento criado na rede social Facebook, cerca de meia centena de pessoas tinham confirmado a sua presença no buzinão até segunda-feira à noite, enquanto perto de 100 tinham manifestado interesse em participar.

Entretanto, a Confederação Portuguesa das Associações de Defesa do Ambiente divulgou, em comunicado, que "discorda totalmente desta iniciativa", pois "vai contra os princípios e objetivos de uma cidade sadia e ambientalmente sustentável".

Em causa neste projeto está o alargamento dos passeios, a criação de zonas verdes e de estadia, a repavimentação das faixas de rodagem (feita durante a noite), o reordenamento do estacionamento e a criação de uma ciclovia bidirecional, no âmbito do programa "Uma praça em cada bairro".

A intervenção vai originar a supressão de cerca de 60 lugares de estacionamento no Saldanha, segundo a autarquia, e levar à redução temporária de uma via em cada sentido na Avenida Fontes Pereira de Melo, durante três meses.

Admitindo que este período inicial seja o mais complicado de toda a obra, a autarquia recomenda aos condutores encontrarem caminhos alternativos, mas, se possível, a deixarem os carros e utilizarem transportes públicos.

Orçada em 7,5 milhões de euros, a intervenção tem uma duração estimada de nove meses.

Lusa

  • Marcelo lembra como foi tratada a tragédia durante a ditadura
    2:25

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Marcelo Rebelo de Sousa não quis comentar diretamente a polémica em torno da lista das vítimas mortais de Pedrógão Grande, mas recorreu às cheias de 1967 para lembrar como as tragédias eram tratadas no tempo da ditadura. O Presidente da República defendeu que não é possível esconder a dimensão de uma tragédia num regime democrático. Há 50 anos, Marcelo Rebelo de Sousa acompanhou de perto a forma como o regime tentou esconder a verdadeira dimensão do incidente.

  • Ministra admite falhas no SIRESP no presente e no passado
    2:35

    País

    A ministra da Administração Interna admitiu, esta quinta-feira, que o SIRESP falha no presente tal como já falhou no passado, quando a tutela pertencia ao Governo PSD. Os sociais-democratas quiserem ouvir Constança Urbano de Sousa na comissão parlamentar mas desta vez a ministra defendeu-se com um ataque. 

  • À descoberta de Dago, o destroço mais visitado em mergulho de profundidade
    13:51
  • Uma viagem aérea pela aldeia histórica de Monsanto
    0:50
  • "Comecei por ajudar uma família que me pediu um plástico para se proteger"
    4:51
  • Quase três mil toneladas de plástico ameçam tartarugas no Mediterrâneo
    2:35

    Mundo

    O Mar Mediterrâneo está sob a ameaça de se tornar uma lixeira com três mil toneladas de plástico a flutuarem entre a Europa e África. Há milhões de turistas a nadarem nestas águas e há espécies marinhas que já estão em perigo. No Chipre, os cientistas estão a tentar proteger tartarugas, cuja alimentação já é quase totalmente de plástico.

  • Deputado da Malásia diz que negar sexo ao marido é uma forma de abuso

    Mundo

    Um deputado malaio tem sido alvo de algumas críticas na internet, depois de ter dito que negar sexo a maridos é uma forma de abuso psicológico e emocional por parte das mulheres. As declarações de Che Mohamad Zulkifly Jusoh foram feitas durante um debate sobre as alterações às leis de violência doméstica, na quarta-feira.

    SIC