sicnot

Perfil

País

Quercus quer saber localização de "cinzas perigosas" da Lipor

A Quercus questionou hoje qual o destino dado pela Lipor às cinzas da sua central de incineração que diz serem perigosas e que devem ser enviadas para tratamento em unidades especializadas.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Henry Romero / Reuters

"Levanta-se a questão de saber qual tem sido o destino das cinzas perigosas da Lipor produzidas nos últimos meses", refere a associação ambientalista em comunicado hoje divulgado.

Segundo a Quercus, a empresa Lipor "pretendia enviar para um aterro de resíduos não perigosos as cinzas volantes provenientes da sua central de incineração de resíduos urbanos após as mesmas passarem por um processo de solidificação com cimento".

Os ambientalistas referem ter tido acesso a uma carta da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) segundo a qual "o processo de solidificação das cinzas perigosas, através da adição de cimento, não elimina a perigosidade das cinzas".

Defende a Quercus que "mesmo com o cimento, as cinzas volantes da central de incineração da Lipor continuam a ser classificadas como resíduos perigosos".

Por esse motivo devem essas "cinzas perigosas" ser "encaminhadas para tratamento em unidades especializadas neste tipo de resíduos perigosos e não para aterros de resíduos banais como a Lipor pretendia".

Perante a informação de que a Lipor procurava um novo aterro para o efeito, a Quercus quer agora "saber onde estão a ser colocadas essas cinzas perigosas".

"A célula da Lipor terá enchido, o que fez entretanto?", questiona Rui Berkemeier, Coordenador do Centro de Informação de Resíduos da Quercus segundo o qual "o Ministério do Ambiente tem de saber junto da Lipor o que se está a passar com as cinzas perigosas".

A associação ambientalista diz ainda ter já questionado por três vezes os serviços do Ministério do Ambiente sobre a "não existência de licença da Lipor para o tratamento de resíduos perigosos".

"Até à data ainda não houve qualquer resposta, o que é inaceitável", criticam.

Lusa

  • Caixa multibanco assaltada em Portugal a cada dois dias
    2:43

    País

    O semanário Expresso conta que a mulher que morreu vítima de um disparo de agentes da PSP foi atingida pelas costas. O caso está a ser investigado pela PJ, que procura encaixar as peças da noite que acabou com uma morte inocente mas que começou com uma perseguição a um grupo de assaltantes de um multibanco. Assaltos que são cada vez mais comuns e que preocupam o Governo. A cada dois dias, uma caixa é assaltada.

  • Metro de Lisboa vai reduzir consumo de água

    País

    O Metro de Lisboa colocou em prática um programa para reduzir o consumo de água devido à situação de seca em Portugal, respondendo assim ao apelo do Ministério do Ambiente, segundo um comunicado divulgado este sábado.