sicnot

Perfil

País

Quercus quer saber localização de "cinzas perigosas" da Lipor

A Quercus questionou hoje qual o destino dado pela Lipor às cinzas da sua central de incineração que diz serem perigosas e que devem ser enviadas para tratamento em unidades especializadas.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Henry Romero / Reuters

"Levanta-se a questão de saber qual tem sido o destino das cinzas perigosas da Lipor produzidas nos últimos meses", refere a associação ambientalista em comunicado hoje divulgado.

Segundo a Quercus, a empresa Lipor "pretendia enviar para um aterro de resíduos não perigosos as cinzas volantes provenientes da sua central de incineração de resíduos urbanos após as mesmas passarem por um processo de solidificação com cimento".

Os ambientalistas referem ter tido acesso a uma carta da Agência Portuguesa do Ambiente (APA) segundo a qual "o processo de solidificação das cinzas perigosas, através da adição de cimento, não elimina a perigosidade das cinzas".

Defende a Quercus que "mesmo com o cimento, as cinzas volantes da central de incineração da Lipor continuam a ser classificadas como resíduos perigosos".

Por esse motivo devem essas "cinzas perigosas" ser "encaminhadas para tratamento em unidades especializadas neste tipo de resíduos perigosos e não para aterros de resíduos banais como a Lipor pretendia".

Perante a informação de que a Lipor procurava um novo aterro para o efeito, a Quercus quer agora "saber onde estão a ser colocadas essas cinzas perigosas".

"A célula da Lipor terá enchido, o que fez entretanto?", questiona Rui Berkemeier, Coordenador do Centro de Informação de Resíduos da Quercus segundo o qual "o Ministério do Ambiente tem de saber junto da Lipor o que se está a passar com as cinzas perigosas".

A associação ambientalista diz ainda ter já questionado por três vezes os serviços do Ministério do Ambiente sobre a "não existência de licença da Lipor para o tratamento de resíduos perigosos".

"Até à data ainda não houve qualquer resposta, o que é inaceitável", criticam.

Lusa

  • Tomadas medidas para evitar danos ambientais após acidente na barra da Armona
    1:49

    País

    Quatro tripulantes foram transportados para o hospital com hipotermia, depois de terem caído ao mar. A embarcação onde seguiam, e que faz trabalhos de reposição de areias, virou-se esta manhã, na ilha da Armona, em Olhão. As autoridades vão abrir um inquérito para apurar as causas do acidente e estão a tomar medidas para evitar danos ambientais, visto que a embarcação transportava 12 mil litros de gasóleo.

  • Papa no Chile em ambiente de contestação à Igreja Católica
    3:13

    Mundo

    O Papa pediu hoje perdão pelos crimes de pedofilia cometidos por membros da Igreja Católica no Chile, referindo que sentiu "dor e vergonha" diante do "dano irreparável" causado às crianças vítimas de abuso sexual. Francisco está a cumprir uma deslocação de três dias ao Chile, onde a contestação à visita e à Igreja se faz sentir. O Papa enfrenta um ambiente hostil na sexta viagem à América Latina, devido à denúncia de abusos sexuais na Igreja.

  • Reviravolta na Operação Fizz
    1:09

    País

    O juiz que vai julgar o chamado processo da Operação Fizz decidiu aceitar as denúncias de Orlando Figueira contra o presidente do Banco Atlântico e o advogado Daniel Proença de Carvalho. As acusações do principal arguido contra o banqueiro Carlos Silva e o advogado Proença de Carvalho podem trazer uma reviravolta ao processo.

  • Apoio psicológico fundamental em Vila Nova da Rainha
    2:19
  • Projeto Bairros Sem Cárie levou 300 pessoas do Seixal ao dentista
    3:08

    País

    Portugal tem dos piores indicadores de saúde oral da Europa e ir ao dentista é quase um luxo. Num país assim ganham ainda mais relevância iniciativas como o projeto Bairros Sem Cárie. 300 pessoas de bairros sociais do Seixal tiveram uma consulta de estomatologia gratuita.

  • Homem rompe a garganta ao tentar impedir espirro

    Mundo

    Impedir um espirro apertando o nariz pode causar sérias lesões. Foi o que aconteceu a um homem na Grã-Bretanha que teve de ser hospitalizado porque sofreu uma rutura na garganta ao apertar boca e nariz ao espirrar.