sicnot

Perfil

País

Banco de Portugal instaurou 283 processos de contraordenação em 2015

O Banco de Portugal instaurou 283 processos de contraordenação em 2015, mais 155 processos do que no ano anterior, divulgou hoje o banco central.

Carlos Costa, governador do Banco de Portugal.

Carlos Costa, governador do Banco de Portugal.

Lusa

No Relatório de Atividades de 2015, o Banco de Portugal diz que "a atividade sancionatória foi particularmente exigente em 2015", o que, segundo a entidade, se deveu ao aumento "expressivo" dos processos de contraordenação instaurados mas também ao facto de ter trabalhado "em processos de especial dimensão e complexidade, que mobilizaram uma parte muito significativa dos recursos afetos à ação sancionatória".

A entidade liderada por Carlos Costa diz que é isto precisamente que explica a diminuição dos processos decididos em 2015, que foi de 82, abaixo dos 99 processos decididos em 2014.

No total, o Banco de Portugal tinha no final do ano passado 372 processos de contraordenação em curso.

Ainda em 2015, foram analisados 33 processos de eventual reavaliação da idoneidade de gestores bancários, o que diz o Banco de Portugal "levaram em alguns casos ao cancelamento do registo para o exercício dos cargos em questão ou à renúncia, por iniciativa dos visados, ao exercício de funções".

Lusa

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.