sicnot

Perfil

País

PCP marca para dia 25 debate sobre táxis e empresas concorrentes

O grupo parlamentar do PCP vai agendar para 25 de maio um debate potestativo no parlamento sobre o seu projeto de lei que aumenta as coimas para quem transporte comercialmente passageiros em viaturas ligeiras, que não táxi.

© Rafael Marchante / Reuters

"O objetivo fundamental é contribuir de forma concreta e construtiva para a solução cada vez mais urgente de um problema que já dura há demasiado tempo, com a continuação da ilegalidade e do sentimento de impunidade que nos foi transmitido pelo setor", disse à Lusa o deputado comunista Bruno Dias.

A iniciativa do PCP altera o decreto-lei 251/98 aumentando os valores de penalização de 1.247 euros a 14.964 euros para entre 2.500 e 15.000 euros, consoante se trate de pessoa individual ou coletiva a cometer a infração, além de dobrar os montantes em caso de reincidência.

Desde outubro de 2014, empresas multinacionais como Uber ou a Cabify têm vindo a instalar-se em Portugal, como noutros países, recorrendo a aplicações por telemóvel para realizar as suas atividades de transporte comercial de passageiros.

"Não estamos agora a discutir se é ou não ilegal o transporte de passageiros em viaturas ligeiras sem ser táxi, pois o Instituto da Mobilidade e dos Transportes e os tribunais já se pronunciaram. Não estamos a discutir se podemos regulamentar empresas fora da lei. Trata-se de haver medidas dissuasoras eficazes, com a alteração das coimas e dos procedimentos", afirmou o parlamentar comunista.

Lusa

  • O que é a Uber?
    1:31

    Economia

    O que é afinal a Uber, a plataforma que tanta contestação dos taxistas tem merecido pelo mundo fora. Nasceu em São Francisco, nos Estados Unidos, em 2009, e a ideia inicial era ser um serviço de táxis de luxo. Com o tempo, acabou por transforma-se num simples serviço de táxi.

  • Governo garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo de ajuda alimentar
    1:18

    País

    O ministro da Solidariedade e Segurança Social garante que Portugal não desperdiçou nenhum fundo europeu de ajuda alimentar. Vieira da Silva respondeu, esta manhã, à notícia avançada pelo Jornal de Notícias que dava conta de que, este ano, o país teria desperdiçado 28 milhões de euros de um fundo europeu porque o programa ainda não está operacional. O ministro garante que o programa vai ser executado em 2017 e que este ano serviu para tomar medidas no sentido dessa implementação. Vieira da Silva assegura também que o montante disponível para o programa não foi desperdiçado e vai poder ser usado.

  • Sporting de Braga eliminado da Liga Europa
    2:01