sicnot

Perfil

País

Eduardo Lourenço diz que o país está numa espécie de festa desde a posse de Marcelo

O ensaista Eduardo Lourenço disse hoje que Portugal está "numa espécie de festa" desde a posse de Marcelo Rebelo de Sousa e alertou que "as coisas mais difíceis" vão surgir, confiando nas capacidades do Presidente da República.

LUSA

Eduardo Lourenço falava à agência Lusa depois de receber o Prémio Vasco Graça Moura - Cidadania Cultural, que decorreu ao final da tarde no auditório do Casino Estoril, em cerimónia presidida por Marcelo Rebelo de Sousa.

Questionado sobre como tem acompanhado os primeiros meses de mandato do Presidente da República, o também conselheiro de Estado respondeu: "É uma espécie de festa em que o país está, e ele (Marcelo) com ele (país). Todas as festas terminam. Depois vêm as coisas mais difíceis de gerir".

No entanto, Eduardo Lourenço sublinhou que o país poderá contar com Marcelo Rebelo de Sousa, que descreveu como uma pessoa "muito desenrascada", "muito desenvolta" e com "muita experiência cultural e política", qualidades que considera "importantes para que o país siga em frente".

Sobre o facto de ter passado a integrar o Conselho de Estado, Eduardo Lourenço reconheceu que não estava à espera, "de maneira nenhuma", do convite de Marcelo Rebelo de Sousa, admitindo que ainda está a tentar perceber "exatamente" o seu "papel".

Prestes a completar 93 anos, Eduardo Lourenço venceu, entre outros, o Prémio Pessoa, em 2008, e o Prémio Camões, em 1995. Apesar de hoje ter "evocado não só um amigo, mas também um grande poeta", o ensaísta diz que o Prémio Camões continua a ser o maior símbolo daquilo que o país é como "língua e cultura".

"Mas todos (os prémios) festejam sobretudo a vitalidade da nossa cultura e sobretudo da nossa poesia", afirmou.

Esta foi a primeira edição do galardão instituído pela Estoril Sol, em parceria com a editora Babel, em homenagem à memória do escritor e político Vasco Graça Moura, falecido em abril de 2014. O prémio tem a periodicidade anual e o valor pecuniário de 40 mil euros.

Lusa

  • Não houve negligência médica no caso do jovem que morreu em São José
    2:33

    País

    Afinal, não houve negligência médica no caso do jovem que morreu há cerca de um ano no Hospital de São José, vítima de um aneurisma. Esta é a conclusão da Ordem dos Médicos e dos peritos do Instituto de Medicina Legal. Segundo o jornal Expresso, todos os relatórios relatórios pedidos pelo Ministério Público e pelo Centro Hospitalar de Lisboa Central dizem que o corpo clínico do hospital não teve responsabilidades na morte de David Duarte.

  • Jovens estariam de fones e poderão não ter ouvido comboio a aproximar-se
    1:47

    País

    As adolescentes, de 13 e 14 anos, encontradas mortas junto à linha do norte perto de Coimbra podem não ter ouvido a aproximação do comboio, uma vez que estariam de auriculares. Os corpos só foram descobertos 36 horas depois do desaparecimento das jovens, aparentemente vítimas de um descuido fatal.

  • Patti Smith engana-se na música de Bob Dylan durante cerimónia dos Nobel
    1:49

    Mundo

    Os prémios Nobel deste ano já foram entregues. Bob Dylan não compareceu à entrega do galardão da Literatura e fez-se representar pela amiga Patti Smith, que teve um bloqueio enquanto cantava "A Hard Rain's A-Gonna Fall" do músico. O Presidente da Colômbia Juan Manuel dos Santos foi distinguido com o Nobel da paz pelo acordo que alcançou com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia.

  • CIA acredita que Trump foi ajudado por piratas informáticos russos
    1:24

    Eleições EUA 2016

    As eleições nos Estados Unidos da América já terminaram e o Presidente está eleito. Contudo, Barack Obama quer saber se os russos tentaram mesmo influenciar o voto e ao mesmo tempo perceber o que os serviços secretos aprenderam com todas as fugas de informação durante a campanha. Já a CIA diz não ter dúvidas: para os serviços secretos norte-americanos, Donald Trump foi ajudado por piratas informáticos.