sicnot

Perfil

País

Eduardo Lourenço diz que o país está numa espécie de festa desde a posse de Marcelo

O ensaista Eduardo Lourenço disse hoje que Portugal está "numa espécie de festa" desde a posse de Marcelo Rebelo de Sousa e alertou que "as coisas mais difíceis" vão surgir, confiando nas capacidades do Presidente da República.

LUSA

Eduardo Lourenço falava à agência Lusa depois de receber o Prémio Vasco Graça Moura - Cidadania Cultural, que decorreu ao final da tarde no auditório do Casino Estoril, em cerimónia presidida por Marcelo Rebelo de Sousa.

Questionado sobre como tem acompanhado os primeiros meses de mandato do Presidente da República, o também conselheiro de Estado respondeu: "É uma espécie de festa em que o país está, e ele (Marcelo) com ele (país). Todas as festas terminam. Depois vêm as coisas mais difíceis de gerir".

No entanto, Eduardo Lourenço sublinhou que o país poderá contar com Marcelo Rebelo de Sousa, que descreveu como uma pessoa "muito desenrascada", "muito desenvolta" e com "muita experiência cultural e política", qualidades que considera "importantes para que o país siga em frente".

Sobre o facto de ter passado a integrar o Conselho de Estado, Eduardo Lourenço reconheceu que não estava à espera, "de maneira nenhuma", do convite de Marcelo Rebelo de Sousa, admitindo que ainda está a tentar perceber "exatamente" o seu "papel".

Prestes a completar 93 anos, Eduardo Lourenço venceu, entre outros, o Prémio Pessoa, em 2008, e o Prémio Camões, em 1995. Apesar de hoje ter "evocado não só um amigo, mas também um grande poeta", o ensaísta diz que o Prémio Camões continua a ser o maior símbolo daquilo que o país é como "língua e cultura".

"Mas todos (os prémios) festejam sobretudo a vitalidade da nossa cultura e sobretudo da nossa poesia", afirmou.

Esta foi a primeira edição do galardão instituído pela Estoril Sol, em parceria com a editora Babel, em homenagem à memória do escritor e político Vasco Graça Moura, falecido em abril de 2014. O prémio tem a periodicidade anual e o valor pecuniário de 40 mil euros.

Lusa

  • Marcar cedo e resistir (ou como Portugal venceu Marrocos)

    Mundial 2018 / Portugal

    A seleção nacional alcançou hoje a primeira vitória no Mundial 2018, frente a Marrocos, em Moscovo. Cristiano Ronaldo (outra vez) marcou logo aos quatro minutos. Depois, Portugal pouco mais fez senão aguentar as investidas dos marroquinos, que ficam desde já afastados dos oitavos de final.

  • Fernando Santos dá um puxão de orelhas à equipa
    1:57
  • E vão quatro de Ronaldo
    1:58
  • Ronaldo, o motivador
    3:23
  • Os "memes" do desempenho de Cristiano Ronaldo frente a Marrocos
    1:25
  • Cristiano Ronaldo: o melhor do jogo, o melhor do Mundial, o melhor do mundo

    Mundial 2018 / Portugal

    Apesar da prestação de Rui Patrício na defesa da baliza lusa, Cristiano Ronaldo foi eleito o homem do jogo, pela segunda vez consecutiva, depois de marcar o golo que deu a vitória a Portugal frente a Marrocos. O capitão português ofereceu à equipa os três pontos essenciais para a eventual passagem aos oitavos de final. Mas Ronaldo não fica por aqui. Contas feitas, CR7 é o melhor marcador do Mundial (4 golos em 2 jogos) e já marcou 85 golos por Portugal, feito nunca antes alcançado nem por Eusébio nem por Pauleta. No auge dos 33 anos, há quem diga que Ronaldo "é como o vinho do Porto". Será que ainda vai chegar à marca dos 100? Parece que, para o CR7, nada é impossível.

  • Parecia que Rui Patrício tinha cola nas luvas
    5:40
  • Os momentos descontraídos dos jogadores que estão no Mundial
    1:54
  • Selecionador de Marrocos queixa-se da arbitragem
    1:41
  • Georgina Rodriguez assistiu ao jogo de Portugal e acenou a Ronaldo
    1:05
  • Ronaldo no País dos Sovietes: O humor russo
    1:32
  • Schulz responde a Trump: "é um especialista em estatísticas criminais"

    Mundo

    "Donald Trump é um especialista em estatísticas criminais: pagamentos a estrelas porno, contactos ilegais com russos e diretores de campanha presos". Foi assim que o deputado alemão Martin Schulz respondeu ao Presidente norte-americano, depois de este ter afirmado várias vezes que a criminalidade na Alemanha aumentou devido à imigração.

    SIC

  • "Vou pedir a alguém que dê esta notícia por mim". Jornalista emociona-se com o caso dos bebés mexicanos separados das famílias
    0:49