sicnot

Perfil

País

Alberto João Jardim diz que é preciso inverter "cristalização" da UE e da Constituição

O ex-presidente do Governo Regional da Madeira, Alberto João Jardim, disse hoje que a União Europeia (UE) e a Constituição portuguesa sofrem de um processo de cristalização, que tem de ser invertido.

LUSA

"Esta Constituição desenvolveu o país, que não tem nada a ver com os tempos da ditadura, mas é verdade que tanto a UE como a atual Constituição me dão a impressão de sofrerem um processo de cristalização", considerou Alberto João Jardim, que intervinha numa mesa redonda do colóquio "40 anos da Constituição e das Autonomias Políticas Regionais dos Açores e da Madeira", realizado hoje na Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra.

"Não podemos cristalizar. Temos de ter a ousadia de fazer as modificações necessárias e não considerar a Constituição de 1976 como uma espécie de fim da história", sublinhou o político madeirense, que criticou os "fundamentalistas da Constituição".

O antigo governante, que liderou a Região Autónoma da Madeira entre 1978 e 2015, entende "que é preciso fazer na Constituição portuguesa para Portugal acelerar cada vez mais para ser um país ainda mais desenvolvido e mais moderno".

Nesse sentido, defendeu "o avanço no caminho das alterações da Constituição" e da legislação, mas pediu cuidado, "sobretudo para não prejudicar uma coisa que a Lei atual equilibrou: o conceito saxónico de liberdade com o conceito francês de igualdade".

No entanto, Alberto João Jardim pensa que o futuro do que vai suceder no território nacional depende do que se vai passar na UE.

"Costumo dizer que a UE é, neste momento, uma bola ao centro: não vai nem para a frente nem para trás", frisou, assumindo-se como um federalista que gostaria de ver o espaço europeu a caminhar "decisivamente no campo do federalismo, com uma forte participação das regiões".

Segundo o antigo presidente do Governo Regional da Madeira, neste momento, "a participação no Comité das Regiões [da UE] é cada vez é mais desinteressante, porque cada vez menos os políticos e os presidentes das regiões vão às reuniões".

"Penso que o grande passo que a UE tem de dar diferente, que no meu ver tem de ser um passo federalista, também exige a criação uma segunda câmara, uma câmara das regiões, na estrutura ao lado do Parlamento Europeu", defendeu Alberto João Jardim.

Além de Alberto João Jardim, Mota Amaral, antigo presidente do Governo Regional dos Açores, foi outro dos palestrantes e defendeu mudanças na Lei Fundamental e na estrutura da União Europeia.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.