sicnot

Perfil

País

Cavaco Silva diz que tempos a seguir à Presidência têm sido "pacatos"

O ex-Presidente da República Aníbal Cavaco Silva disse esta segunda-feira que, após ter cessado funções em Belém, os tempos têm sido "pacatos", antecipando que assim vão continuar a ser.

M\303\201RIO CRUZ

Em Lisboa, num evento promovido pelo Instituto Superior Economia e Gestão (ISEG), Cavaco Silva foi questionado pelos jornalistas sobre a sua vida atual após dez anos como chefe de Estado e devolveu: "Muito pacatos. E vão continuar pacatos".

O antigo Presidente chegou ao evento cerca das 20:30 acompanhado pela mulher, Maria Cavaco Silva, e ladeado por Eduardo Catroga, antigo aluno do ISEG, instituição que assinala hoje 105 anos de existência.

A associação de antigos alunos do instituto de economia, situado na zona de São Bento, a escassos metros da Assembleia da República, homenageia hoje Aníbal Cavaco Silva e também Luís Alves Costa.

Lusa

  • Tribunal de Contas apresentou reservas em relação ao SIRESP em 2006

    Tragédia em Pedrógão Grande

    O Tribunal de Contas avisou em 2006 que o Estado poderia sair prejudicado nos moldes em que o Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) estava a ser desenhado. De acordo com a edição de hoje do Jornal de Notícias, terão sido a ausência de um concurso público, a falta de tempo para a apresentação de propostas e mexidas no caderno de encargos a motivar as reservas do tribunal.

  • Relatório pedido pelo Governo PSD-CDS já apontava falhas no SIRESP
    2:26
  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29
  • Bispo do Mali terá contas na Suíça com 12 M€
    1:49

    Mundo

    Há uma polémica a envolver um novo cardeal da Igreja católica. Um bispo do Mali, escolhido pelo Papa para o colégio cardinalício, está a ser relacionado com contas na Suíça onde estarão depositados milhões de euros. A cerimónia que o fará cardeal está marcada para hoje.

  • Confirmada prisão dos portugueses que gravaram nome no portão de Auschwitz

    Mundo

    Dois adolescentes católicos portugueses foram condenados a um ano de prisão com pena suspensa, por terem gravado os nomes na porta da entrada principal de Auschwitz-Birkenau. O tribunal de primeira instância de Oswiecim já tinha condenado os jovens e o tribunal de Cracóvia confirmou esta quarta-feira a pena aplicada.