sicnot

Perfil

País

Cavaco Silva diz que tempos a seguir à Presidência têm sido "pacatos"

O ex-Presidente da República Aníbal Cavaco Silva disse esta segunda-feira que, após ter cessado funções em Belém, os tempos têm sido "pacatos", antecipando que assim vão continuar a ser.

M\303\201RIO CRUZ

Em Lisboa, num evento promovido pelo Instituto Superior Economia e Gestão (ISEG), Cavaco Silva foi questionado pelos jornalistas sobre a sua vida atual após dez anos como chefe de Estado e devolveu: "Muito pacatos. E vão continuar pacatos".

O antigo Presidente chegou ao evento cerca das 20:30 acompanhado pela mulher, Maria Cavaco Silva, e ladeado por Eduardo Catroga, antigo aluno do ISEG, instituição que assinala hoje 105 anos de existência.

A associação de antigos alunos do instituto de economia, situado na zona de São Bento, a escassos metros da Assembleia da República, homenageia hoje Aníbal Cavaco Silva e também Luís Alves Costa.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.