sicnot

Perfil

País

PJ tenta identificar corpo encontrado no mar em Milfontes

A Polícia Judiciária (PJ) iniciou hoje diligências para tentar identificar o corpo de um homem encontrado no último sábado, no mar, em Vila Nova de Milfontes, no Alentejo, disse à agência Lusa fonte policial.

O corpo, em avançado estado de decomposição, apareceu a boiar no sábado à tarde, junto ao porto de pesca de Vila Nova de Milfontes, no concelho de Odemira, distrito de Beja, tendo o alerta sido dado por um popular.

Indicando que a investigação passou hoje para a alçada da PJ, a mesma fonte reconheceu haver dificuldades na identificação do homem, devido ao elevado estado de decomposição do cadáver, sem cabeça e que não permite a recolha de impressões digitais.

A fonte admitiu que o corpo possa ser de um homem dado como desaparecido na zona de Odemira, mas tal só poderá ser confirmado depois da identificação.

O corpo foi resgatado no sábado por uma lancha salva-vidas da Estação Salva-Vidas de Sines, com o apoio da Polícia Marítima e de um mergulhador civil e encaminhado para os serviços de Medicina Legal do Hospital do Litoral Alentejano, em Santiago do Cacém.

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.