sicnot

Perfil

País

"Têm sido 6 meses a cumprir o nosso compromisso"

O primeiro-ministro afirmou hoje que os seis meses de Governo foram de cumprimento do compromisso com os cidadãos, com a maioria parlamentar e com a União Europeia, num caminho que "nem sempre foi fácil".

António Costa, primeiro-ministro

António Costa, primeiro-ministro

Geert Vanden Wijngaert

"Têm sido 6 meses a cumprir o nosso compromisso com os cidadãos, com a maioria parlamentar, com a União Europeia", diz uma mensagem de António Costa publicada na rede social Instagram, que surge acompanhada de um 'slideshow', com várias fotos do meio ano de Governo que hoje se assinala com um Conselho de Ministros extraordinário.

"Nem sempre foi fácil, mas já sabíamos que não seria. A cada dificuldade, capacidade de a vencer", assume.

Segundo o primeiro-ministro, "há uma visão estratégica, centrada na qualificação, inovação, modernização do Estado, valorização do território, capitalização das empresas, erradicação da pobreza".

"Só assim teremos mais crescimento, melhor emprego, maior igualdade e... consolidação orçamental sustentável. Este é o caminho a percorrer em conjunto", concluiu, assinando a mensagem com "um abraço, António Costa".

Lusa

  • Seis meses de Governo de esquerda
    2:29

    País

    A polémica dos colégios, a greve dos estivadores e o regresso ao horário de 35 horas são algumas das questões que têm marcado os últimos tempos da governação socialista que assinala hoje seis meses. No balanço de meio ano, a direita fala em retrocesso económico e desnorte, a esquerda que apoia o Governo sublinha a recuperação de rendimentos e a defesa do Estado Social.

  • Regresso das 35 horas semanais pode não ser para todos
    2:01

    País

    O horário de 35 horas de trabalho por semana pode não ser para todos os funcionários públicos. O Governo está a estudar alternativas para compensar os que tenham de continuar a trabalhar 40 horas semanais. O modelo já está a ser discutido com os sindicatos.

  • "É mais um notável tiro no pé de Passos Coelho"
    4:04

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite, a polémica em torno de Pedro Passos Coelho, depois do presidente do PSD ter pedido desculpas por ter "usado informação não confirmada", ao falar na existência de suicídios, depois desmentidos, como consequência da falta de apoio psicológico na tragédia de Pedrógão Grande. Sousa Tavares considera que Passos Coelho deu "mais um tiro no pé" e defende que o líder da oposição "está notoriamente desgastado" e "caminha para uma tragédia eleitoral autárquica".

    Miguel Sousa Tavares

  • Este texto é sobre o bom senso. O bom senso que faltou a Passos Coelho quando, esta manhã, depois de uma visita pelas áreas ardidas de Pedrógão Grande, decidiu falar em suicídios. Passos não se referiu a tentativas, mas sim a atos consumados. Deu certezas. Disse que tinha conhecimento de “pessoas que puseram termo à vida” porque “que não receberam o apoio psicológico que deviam.”

    Bernardo Ferrão

  • Simplex+2017 promete simplificar burocracia
    1:08

    País

    Já está online o novo Simplex+2017, que vai simplificar a vida dos cidadãos, empresas e administração pública. Pagar impostos com cartão de crédito e ter o cartão de cidadão ou a carta de condução no telemóvel são alguns exemplos do que está previsto.

  • Homem fala ao telefone com o filho que pensava estar morto

    Mundo

    Um norte-americano que tinha estado presente no funeral do filho recebeu, 11 dias depois, uma chamada telefónica de um homem que o pôs em contacto... com o filho que havia enterrado semana e meia antes. Tudo por causa de um erro do gabinete de medicina legal.