sicnot

Perfil

País

Rui Fiolhais é o novo presidente do Instituto da Segurança Social

O ministro Vieira da Silva nomeou hoje Rui Fiolhais como presidente do Conselho Diretivo do Instituto da Segurança Social (ISS), sucedendo no cargo a Ana Clara Birrento, anunciou o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

O novo Conselho Diretivo do ISS, que substitui o anterior que foi dissolvido no domingo, é composto por dirigentes em regime de substituição até à conclusão do concurso que vai decorrer, segundo o Ministério da Segurança Social.

Rui Fiolhais, nascido em 1967, é licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra (1991) e mestre em políticas e gestão de recursos humanos pelo Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (1995).

O novo presidente do ISS é quadro superior do Gabinete de Estratégia e Planeamento do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (1992-2016), tendo o Curso de Alta Direção em Administração Pública (CADAP).

No âmbito do setor público exerceu funções dirigentes como Gestor do Programa Operacional Potencial Humano, foi vice-presidente do Instituto de Gestão Financeira da Segurança Social, chefe do gabinete do Ministro do Trabalho e da Solidariedade Social e foi subdiretor-geral do Departamento de Estudos, Estatística e Planeamento do Ministério da Segurança Social e do Trabalho, entre outros cargos.

O novo conselho diretivo do ISS é ainda composto por Gabriel Bastos, nomeado vice-presidente, Noémia Silva Goulart e Sofia Borges Pereira, vogais.

Nascido em 1973, Gabriel Bastos é licenciado em Direito e pós-graduado em Ciências Jurídico-Administrativas pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

É quadro superior da Direção Geral da Segurança Social (desde 2012), onde desempenhou funções na área da negociação e coordenação de instrumentos internacionais, refere o comunicado do gabinete do ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social.

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social destaca, no comunicado, "o excelente curriculum profissional e académico destes novos dirigentes, assim como a sua extensa experiência e conhecimento do sistema de segurança social, em geral, e do Instituto da Segurança Social, em particular".

Num comunicado divulgado na semana passada, o ministério explica que a mudança de direção deveu-se à necessidade de dar "uma nova orientação à gestão do Instituto de Segurança Social", de modo a cumprir os objetivos definidos no Programa do Governo relativamente à promoção da coesão social.

"Tal mudança de estratégia apenas será possível de concretizar imprimindo uma nova orientação à gestão do Instituto da Segurança Social, I.P., a qual passa, incontornavelmente, pela alteração da composição do Conselho Diretivo, de forma a conferir uma nova dinâmica à prossecução das prioridades e objetivos ora delineados para esta área de atuação", refere o comunicado.

Os anteriores membros do Conselho Diretivo do ISS encontravam-se nomeados desde julho de 2015, por despachos do anterior Governo.

Lusa

  • As confissões de Sérgio Conceição: do futuro no FC Porto à zanga com Rui Vitória 
    43:14
  • Marcelo descobre que vê mal "ao longe à esquerda"
    2:05

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa recebeu uma declaração dos médicos contra a despenalização da eutanásia. A audiência ao atual bastonário e cinco antecessores acontece a uma semana do tema ir a debate no Parlamento, e no dia em que o Presidente da República foi a estrela do Dia da Segurança Infantil. Marcelo aproveitou para fazer um rastreio à visão e concluiu que tem que estar "atento", à esquerda, ao longe".

  • PS "vai ficar em banho-maria durante anos" por causa de Sócrates
    0:59

    País

    Miguel Sousa Tavares considera que o PS vai ficar em "banho-maria" durante anos por causa de José Sócrates. Em entrevista na SIC Notícias, o comentador criticou os dirigentes socialistas pela forma como se tentaram demarcar do ex-primeiro-ministro e disse que António Costa devia ter tomado uma atitude mais concreta.

  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • É desta que provam a existência do monstro de Loch Ness?

    Mundo

    Para muitos, o monstro de Loch Ness não passa de uma lenda. A verdade é que a existência ou não desta criatura mística continua a suscitar debates entre aqueles que acreditam e os cépticos. Uma equipa internacional de investigadores quer responder finalmente à questão através da recolha de ADN ambiental do Loch Ness, na Escócia.

    SIC