sicnot

Perfil

País

MP pede 13 a 16 anos de prisão para Oliveira Costa

O Ministério Público pediu 13 a 16 anos de prisão para Oliveira Costa, o antigo presidente do Banco Português de Negócios. Nas alegações finais, o MP pediu penas de prisão para 14 dos 15 arguidos, efetivas para seis deles.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

Para os restantes arguidos do processo BPN, o Ministério Público pede para Luís Caprichoso, ex-gestor do Banco Português de Negócios, uma pena de 10 a 12 anos de prisão, para José Vaz ex-presidente do Banco Insular, os procuradores pediram entre 9 a 10 anos de cadeia e para Francisco Sanches, outro ex-gestor do BPN, pediram entre 8 e 9 anos.

O procurador Jorge Malhado pediu ainda para Telmo Reis uma pena de 7 anos e meio a 8 anos e meio de prisão, para Ricardo Oliveira, 5 anos e meio e para José Monteverde 3 anos e meio com pena suspensa.

O julgamento do caso BPN começou em dezembro de 2010.

Oliveira Costa e outros 14 arguidos são acusados de terem sido os responsáveis por crimes financeiros que levaram ao descalabro do banco.

  • A casa dos horrores
    7:57
  • PGR e presidente do Supremo deixam recado à ministra da Justiça
    2:45

    País

    Durante a abertura do ano judicial, a Procuradora-Geral da República e o presidente do Supremo Tribunal aproveitaram para deixar um recado à ministra da Justiça: é urgente aprovar o novo estatuto de juízes e magistrados. O presidente do Supremo diz que é injusta a má imagem da Justiça e pediu contenção aos magistrados.

  • Rui Rio tem sentido "alguma turbulência" no PSD
    2:01

    País

    Rui Rio e Pedro Passos Coelho tiveram esta quinta-feira a primeira reunião, desde que foi eleito o novo líder do PSD. À saída, Passos Coelho desejou que esta transição decorra com naturalidade. Já Rui Rio disse que tem sentido alguma turbulência no partido.

  • Sindicatos rejeitam fim das baixas médicas até três dias
    2:02

    País

    A CGTP quer levar o tema das baixas médicas à Concertação Social, já a UGT diz que há outras matérias prioritárias. Ainda assim as duas centrais sindicais lembram que a não justificação de faltas pode dar origem a um despedimento por justa causa. Esta quinta-feira o bastonário da Ordem dos Médicos propôs ao Governo que acabe com as baixas de curta duração, até três dias.

  • Papa interrompe percurso no Chile para ajudar polícia
    0:21