sicnot

Perfil

País

Reclusos nas prisões portuguesas aumentaram 22,5% entre 2010 e 2015

O número de reclusos nas prisões portuguesas aumentou 22,5%, entre 2010 e 2015, passando dos 11.613 para os 14.222, revelou hoje a Direção-Geral da Política de Justiça (DGPJ).

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Stephen Lam / Reuters

As estatísticas sobre os reclusos nos estabelecimentos prisionais adiantam que os presos aumentaram todos os anos nas prisões, desde 2010, tendo a subida mas significativa sido registada a partir de 2013, quando foi ultrapassado o número total de 14.000.

O ano de 2013 termina com 14.284 reclusos nas prisões, baixando para os 14.003, no ano seguinte, mas, em 2015, registou-se uma nova subida, para 14.222 presos.

Segundo a DGPJ, o aumento dos reclusos não é uniforme, tendo-se registado uma subida superior entre as mulheres reclusas, cujo total aumentou 37,5% em seis anos, enquanto o número de reclusos do sexo masculino subiu 21,6%.

Em 2015, estavam presos 13.360 homens e 862 mulheres.

A DGPJ adianta que, entre 2010 e 2015, se verificou "um ligeiro aumento nos escalões etários a partir dos 40 anos e de uma diminuição", nas restantes idades.

De acordo com aquele organismo tutelado pelo Ministério da Justiça, quase metade dos reclusos (48,6%) está entre os 25 e os 39 anos, seguindo-se a idade dos 40 a 59 anos (37,3%).

As estatísticas indicam ainda que a maior parte dos reclusos tem o ensino básico.

A DGPJ indica ainda que, nos últimos quatros anos, se registaram pequenas reduções do número de reclusos que cometeram crimes relativos a estupefacientes, contra o património e contra as pessoas.

A par destas reduções verifica-se, no entanto, um ligeiro aumento dos reclusos que cometeram crimes contra a vida em sociedade e "outros crimes".

A DGPJ ressalva que apesar daquelas diminuições, se verifica um aumento, em termos absolutos, do número de reclusos nos estabelecimentos prisionais, entre 2010 e 2015.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.