sicnot

Perfil

País

Reclusos nas prisões portuguesas aumentaram 22,5% entre 2010 e 2015

O número de reclusos nas prisões portuguesas aumentou 22,5%, entre 2010 e 2015, passando dos 11.613 para os 14.222, revelou hoje a Direção-Geral da Política de Justiça (DGPJ).

(Arquivo/Reuters)

(Arquivo/Reuters)

© Stephen Lam / Reuters

As estatísticas sobre os reclusos nos estabelecimentos prisionais adiantam que os presos aumentaram todos os anos nas prisões, desde 2010, tendo a subida mas significativa sido registada a partir de 2013, quando foi ultrapassado o número total de 14.000.

O ano de 2013 termina com 14.284 reclusos nas prisões, baixando para os 14.003, no ano seguinte, mas, em 2015, registou-se uma nova subida, para 14.222 presos.

Segundo a DGPJ, o aumento dos reclusos não é uniforme, tendo-se registado uma subida superior entre as mulheres reclusas, cujo total aumentou 37,5% em seis anos, enquanto o número de reclusos do sexo masculino subiu 21,6%.

Em 2015, estavam presos 13.360 homens e 862 mulheres.

A DGPJ adianta que, entre 2010 e 2015, se verificou "um ligeiro aumento nos escalões etários a partir dos 40 anos e de uma diminuição", nas restantes idades.

De acordo com aquele organismo tutelado pelo Ministério da Justiça, quase metade dos reclusos (48,6%) está entre os 25 e os 39 anos, seguindo-se a idade dos 40 a 59 anos (37,3%).

As estatísticas indicam ainda que a maior parte dos reclusos tem o ensino básico.

A DGPJ indica ainda que, nos últimos quatros anos, se registaram pequenas reduções do número de reclusos que cometeram crimes relativos a estupefacientes, contra o património e contra as pessoas.

A par destas reduções verifica-se, no entanto, um ligeiro aumento dos reclusos que cometeram crimes contra a vida em sociedade e "outros crimes".

A DGPJ ressalva que apesar daquelas diminuições, se verifica um aumento, em termos absolutos, do número de reclusos nos estabelecimentos prisionais, entre 2010 e 2015.

Lusa

  • A fábrica de caças na base aérea de Monte Real
    3:35
  • Comprar ou arrendar casa?
    8:25
  • Fui contactado por um espectador do “Contas-Poupança” (quartas-feiras, Jornal da Noite, SIC) e leitor do blogue www.contaspoupanca.pt, que foi surpreendido com uma carta do banco a aumentar o spread porque um dos serviços que tinha subscrito tinha sido extinguido. Neste caso específico, a domiciliação de ordenado. Ora, o cliente ficou estupefacto porque não mudou de empresa, não foi despedido nem tinha havido nenhuma alteração no recebimento do ordenado naquela conta.

    Pedro Andersson

  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44

    Mundo

    A Ucrânia está a ser seriamente afetada por um novo ataque informático. Algumas empresas de grande dimensão estão a ser prejudicadas, agravando a dimensão global do ataque, o qual não parece ser dirigido a ninguém em concreto. Ontem, nas primeiras horas do ataque, não parava de crescer o número de vítimas.

  • Temer acusado de prejudicar Polícia Federal
    2:36
  • Trump interrompe telefonema para elogiar jornalista

    Mundo

    A jornalista irlandesa Caitriona Perry viu-se esta terça-feira envolvida num momento que a própria classificou de "bizarro": um encontro inesperado com Donald Trump, que interrompeu um telefonema com o primeiro-ministro irlandês para... a elogiar.

    SIC

  • Caricaturas de Trump invadem capital do Irão

    Mundo

    O Irão está a organizar um concurso internacional de caricaturas do Presidente norte-americano Donald Trump. Pelas ruas de Teerão já vão surgindo algumas imagens alusivas ao festival que vai realizar-se no próximo mês de julho.

  • Companhia aérea obriga deficiente físico a entrar no avião sem ajuda

    Mundo

    Um homem com uma deficiência física que o obriga a andar numa cadeira de rodas foi obrigado a subir sozinho as escadas de um avião da companhia aérea Vanilla Air. Hideto Kijima deparou-se com a situação quando estava a embarcar da ilha de Amami para Osaka, no Japão, com vários amigos que foram proibidos de o ajudar.

  • De onde vem o dinheiro de Isabel II?

    Mundo

    A rainha Isabel II vai ser aumentada - pelo exercício das suas funções -, em 2018, para 82,2 milhões de libras (93,5 milhões de euros). Este valor é pago pelo Estado britânico. Contudo, esta não é a única fonte de rendimento da rainha de Inglaterra. Isabel II também recebe pelas terras, casas e empresas que tem espalhadas pelo Reino Unido.