sicnot

Perfil

País

Maria de Belém defende livre escolha dentro do Serviço Nacional de Saúde

A ex-candidata presidencial Maria de Belém defendeu hoje a livre escolha dos utentes dentro do Serviço Nacional de Saúde, recusando que este princípio seja aplicado em questões de consumo, para "satisfazer os caprichos de cada um".

Lusa/ Arquivo

Lusa/ Arquivo

TIAGO PETINGA/ LUSA

Numa conferência sobre "Constituição Social", que decorreu hoje no Grémio Literário, em Lisboa, no âmbito dos 40 anos da Constituição da República, Maria de Belém considerou "absolutamente normal que haja livre escolha no âmbito do sistema público de saúde até porque isso significa que o investimento que o Estado fez vai ser aproveitado" já que o Estado tem "o dever de facilitar a vida aos cidadãos".

"Quando hoje se refere a livre escolha como um princípio absolutamente inatacável, nas questões de consumo não é um princípio sequer que possa significar o primeiro dos princípios quando a relação que nós temos com um acesso a um bem não é em função do que eu pago diretamente por ele, mas em função daquilo que a solidariedade coletiva me proporciona", justificou, sublinhando que a coletividade não existe para "satisfazer os caprichos de cada um".

A antiga ministra da Saúde no primeiro Governo do socialista António Guterres realçou ainda que "o Serviço Nacional de Saúde desde o princípio articulou, supletivamente, com o setor social e com o setor privado".

Maria de Belém - que se escusou a falar aos jornalistas - considera "muito negativa" a associação entre "saúde e consumo".

A candidata presidencial, que nas eleições de janeiro ficou em quarto lugar, manifestou preocupação com "o impacto da crise e a maneira como os dirigentes têm lidado com a crise".

"Muito daquilo que nós considerávamos um adquirido, designadamente no que se refere aos direitos, liberdades e garantias, está hoje a ser posto em causa. Esse é o meu grande susto hoje em dia", confessou.

O exemplo da crise dos refugiados e outros sinais que "são muito preocupantes" denotam, na opinião de Maria de Belém, que aquilo que são direitos considerados "inerentes à natureza humana, começam a ser postos em causa de uma maneira subliminar".

"O desenho do direito à proteção da saúde na Constituição foi sendo afinado nestas sucessivas revisões", disse, evidenciando que "a relação entre a saúde e a economia é uma relação controversa porque aquilo que é certo para a economia normalmente é ao contrário para a saúde".

Lusa

  • Corpos de portuguesas trasladados segunda-feira 
    1:27
  • Incendiários vão passar o verão com pulseira eletrónica

    País

    Os tribunais vão poder condenar os incendiários a penas de prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, durante as épocas de incêndio. A nova lei foi aprovada na semana passada, na Assembleia da República, e aguarda a promulgação do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

  • Um encontro português (e inesperado) em alto mar
    2:38

    País

    A SIC tem estado a acompanhar a viagem de um navio-patrulha da Marinha Portuguesa, que está em missão de fiscalização junto à Terra Nova, no Canadá. Nos últimos dias, o navio cruzou-se com embarcações de Vila do Conde, um encontro inesperado e feliz para quem anda há mais de um mês em alto mar. 

  • Estado vai tomar posse de terras abandonadas

    País

    O Governo vai recorrer ao Código Civil para permitir que o Estado tome posse de terras ao abandono. À margem da entrevista ao Expresso, o primeiro-ministro anunciou que o Governo irá acionar o artigo 1345º do Código Civil, que estabelece que as coisas imóveis sem dono conhecido se consideram do património do Estado.

  • "Trump, deixe-me ajudá-lo a escrever o discurso"
    0:47

    Mundo

    Arnold Schwarzenegger diz que Donald Trump tem o dever moral de se opor ao ódio e ao racismo. Num vídeo publicado nas redes sociais, o ator norte-americano e antigo governador da Califórnia encenou o discurso que Donald Trump devia ter. 

  • Hino da SIC tocado pela viola beiroa
    2:22