sicnot

Perfil

País

Maria de Belém defende livre escolha dentro do Serviço Nacional de Saúde

A ex-candidata presidencial Maria de Belém defendeu hoje a livre escolha dos utentes dentro do Serviço Nacional de Saúde, recusando que este princípio seja aplicado em questões de consumo, para "satisfazer os caprichos de cada um".

Lusa/ Arquivo

Lusa/ Arquivo

TIAGO PETINGA/ LUSA

Numa conferência sobre "Constituição Social", que decorreu hoje no Grémio Literário, em Lisboa, no âmbito dos 40 anos da Constituição da República, Maria de Belém considerou "absolutamente normal que haja livre escolha no âmbito do sistema público de saúde até porque isso significa que o investimento que o Estado fez vai ser aproveitado" já que o Estado tem "o dever de facilitar a vida aos cidadãos".

"Quando hoje se refere a livre escolha como um princípio absolutamente inatacável, nas questões de consumo não é um princípio sequer que possa significar o primeiro dos princípios quando a relação que nós temos com um acesso a um bem não é em função do que eu pago diretamente por ele, mas em função daquilo que a solidariedade coletiva me proporciona", justificou, sublinhando que a coletividade não existe para "satisfazer os caprichos de cada um".

A antiga ministra da Saúde no primeiro Governo do socialista António Guterres realçou ainda que "o Serviço Nacional de Saúde desde o princípio articulou, supletivamente, com o setor social e com o setor privado".

Maria de Belém - que se escusou a falar aos jornalistas - considera "muito negativa" a associação entre "saúde e consumo".

A candidata presidencial, que nas eleições de janeiro ficou em quarto lugar, manifestou preocupação com "o impacto da crise e a maneira como os dirigentes têm lidado com a crise".

"Muito daquilo que nós considerávamos um adquirido, designadamente no que se refere aos direitos, liberdades e garantias, está hoje a ser posto em causa. Esse é o meu grande susto hoje em dia", confessou.

O exemplo da crise dos refugiados e outros sinais que "são muito preocupantes" denotam, na opinião de Maria de Belém, que aquilo que são direitos considerados "inerentes à natureza humana, começam a ser postos em causa de uma maneira subliminar".

"O desenho do direito à proteção da saúde na Constituição foi sendo afinado nestas sucessivas revisões", disse, evidenciando que "a relação entre a saúde e a economia é uma relação controversa porque aquilo que é certo para a economia normalmente é ao contrário para a saúde".

Lusa

  • Portugal a tremer de frio
    3:07

    País

    Portugal continua a registar temperaturas negativas, sobretudo no Norte do país. Em Trás-os-Montes, por exemplo, marcaram mínimas de 11 graus abaixo de zero e os termómetros desceram tanto que congelaram rios, canalizações de água e até aquecimentos de escolas. Mas nem tudo é mau pois os produtores falam em boa época para curar fumeiro.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Podem as plantas ver, ouvir e até reagir?

    Mundo

    Um professor de Ciências Vegetais da Universidade de Missouri, nos Estados Unidos, passou quatro décadas a investigar as relações entre vegetais e insetos. Na visão de Jack Schultz, as plantas são "como animais muito lentos", que conseguem ver, ouvir, cheirar e até têm comportamentos próprios.

  • Zoo da Indonésia acusado de querer matar ursos à fome

    Mundo

    Um grupo de ativistas da Indonésia acusa o Jardim Zoológico de Bandung de estar a matar à fome os seus animais, incluindo os ursos-do-sol, para ser fechado. Um vídeo recentemente publicado mostra os ursos, que aparecem muito magros e a implorar por comida.