sicnot

Perfil

País

Mais de 170 militares da Marinha vigiam praias durante época balnear

Mais de uma centena e meia de militares da Marinha vão dar apoio aos nadadores-salvadores na vigilância das praias portuguesas durante a época balnear, até 30 de setembro.

© Rafael Marchante / Reuters

De acordo com a tenente Maria Martins, da Marinha Portuguesa, ao todo estão destacados 176 militares, número semelhante ao do ano passado.

O objetivo, disse à Lusa, é garantir a segurança e dar apoio aos banhistas, sobretudo nas praias não vigiadas, através da operação dos meios complementares de socorro do Instituto de Socorros a Náufragos atribuídos às capitanias.

Durante os próximos quatro meses estarão então no terreno 80 militares em viaturas e 96 militares a pé, todos eles habilitados com os cursos de nadador-salvador e de suporte básico de vida.

No âmbito deste serviço serão usados 26 carros ao longo dos 2.800 quilómetros de praia da costa portuguesa.

"O sistema implementado já provou a sua eficácia em anos anteriores. No ano passado os militares participaram em 721 salvamentos, realizaram 1.325 assistências de primeiros socorros e 101 buscas com sucesso a crianças perdidas na praia", revela a Marinha.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.