sicnot

Perfil

País

Autarcas da Moita, Barreiro, Montijo e Alcochete exigem reunião com ministro da Saúde

Os autarcas da Moita, Barreiro, Montijo e Alcochete, no distrito de Setúbal, exigem uma reunião com o ministro da Saúde devido aos problemas registados no Centro Hospitalar Barreiro/Montijo e nos cuidados de saúde primários.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

Os autarcas dos quatro concelhos reuniram-se no edifício dos Paços do Concelho, na Moita, para em conjunto analisarem a situação dos cuidados de saúde nos seus concelhos.

"Reunimo-nos para tentar concertar posições em função da avaliação que fazemos dos cuidados de saúde prestados. Em relação ao Centro Hospitalar Barreiro/Montijo, existe uma degradação dos serviços, com um acumular de problemas", disse hoje à Lusa o presidente da Câmara da Moita, Rui Garcia (PCP).

O autarca explicou que existem cada vez menos profissionais e que se verifica um aumento dos tempos de espera nas urgências, na consultas e também nas cirurgias.

"Nos centros de saúde regista-se a falta de médicos e existem muitos utentes sem médico de família", disse, referindo que é preciso reforçar os meios humanos, repor as valências, reorganizar o próprio centro hospitalar e reforçar também os cuidados de saúde primários.

Os autarcas pediram uma reunião ao ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, para expor os problemas "de viva voz", e esperam que o encontro decorra em breve.

"Nos contactos que temos feito, os responsáveis demonstram preocupação com a situação, mas não estão a surgir soluções. Os quatro concelhos sentem os mesmos problemas e esta posição concertada demonstra uma vontade dos municípios em procurar soluções", sublinhou Rui Garcia.

Segundo o autarca, o Centro Hospital Barreiro/Montijo e o ACES - Agrupamento de Centros de Saúde do Arco Ribeirinho prestam serviço a 250 mil pessoas.

Lusa

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.