sicnot

Perfil

País

Autarcas da Moita, Barreiro, Montijo e Alcochete exigem reunião com ministro da Saúde

Os autarcas da Moita, Barreiro, Montijo e Alcochete, no distrito de Setúbal, exigem uma reunião com o ministro da Saúde devido aos problemas registados no Centro Hospitalar Barreiro/Montijo e nos cuidados de saúde primários.

(Arquivo)

(Arquivo)

SIC

Os autarcas dos quatro concelhos reuniram-se no edifício dos Paços do Concelho, na Moita, para em conjunto analisarem a situação dos cuidados de saúde nos seus concelhos.

"Reunimo-nos para tentar concertar posições em função da avaliação que fazemos dos cuidados de saúde prestados. Em relação ao Centro Hospitalar Barreiro/Montijo, existe uma degradação dos serviços, com um acumular de problemas", disse hoje à Lusa o presidente da Câmara da Moita, Rui Garcia (PCP).

O autarca explicou que existem cada vez menos profissionais e que se verifica um aumento dos tempos de espera nas urgências, na consultas e também nas cirurgias.

"Nos centros de saúde regista-se a falta de médicos e existem muitos utentes sem médico de família", disse, referindo que é preciso reforçar os meios humanos, repor as valências, reorganizar o próprio centro hospitalar e reforçar também os cuidados de saúde primários.

Os autarcas pediram uma reunião ao ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, para expor os problemas "de viva voz", e esperam que o encontro decorra em breve.

"Nos contactos que temos feito, os responsáveis demonstram preocupação com a situação, mas não estão a surgir soluções. Os quatro concelhos sentem os mesmos problemas e esta posição concertada demonstra uma vontade dos municípios em procurar soluções", sublinhou Rui Garcia.

Segundo o autarca, o Centro Hospital Barreiro/Montijo e o ACES - Agrupamento de Centros de Saúde do Arco Ribeirinho prestam serviço a 250 mil pessoas.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • ASAE encerra em média um restaurante por dia
    1:33
  • Grupo de brasileiros em assalto milionário no Paraguai
    1:24