sicnot

Perfil

País

Centenas formaram cordão humano em Aljezur contra exploração de petróleo

A Câmara Municipal de Aljezur foi hoje rodeada por um cordão humano de protesto contra a exploração de hidrocarbonetos em terra e em mar no Algarve, onde participaram cerca de 300 pessoas de diferentes nacionalidades.

LU\303\215S FORRA

"Vão-se embora", "Fora", gritaram os participantes, muitos deles envergando cartões vermelhos, outros cartazes ou cruzes de madeira pintadas de vermelho com apelos ao Governo para que trave o processo de prospeção e exploração no Algarve.

"Este cordão humano de hoje é um apelo ao Governo de António Costa e ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa para saírem do sono profundo em que se encontram em relação à exploração de petróleo e gás natural na região do Algarve", disse à Lusa João Martins, do Movimento Algarve Livre de Petróleo (MALP).

Defendendo que os responsáveis políticos nacionais não podem consentir esta atividade no Algarve, atividade que descreve como "um crime público", João Martins deixou um apelo para a travagem do processo em prol da natureza, do turismo, da economia e da paz social da região.

"Quando foi o próprio responsável da Entidade Nacional para o mercado dos combustíveis, Paulo Carmona, a dizer que estes contratos têm irregularidades, só há uma coisa a fazer: parar já com estes contratos e ir ao encontro das expectativas legítimas das populações do Algarve", destacou.

A alemã Andrea Peters tem residência em Aljezur há oito anos e disse à Lusa que quando decidiu adquirir casa no Algarve, para viver rodeada de natureza, nunca pensou que a exploração petrolífera fosse um problema.

"É mau para a natureza, para as pessoas, para a região", comentou admitindo ter medo que o Governo português deixe o processo avançar.

Anabela Batista é natural de Aljezur e também participou no protesto, apesar de lamentar que os portugueses não tenham tido uma presença tão ou mais numerosa que a comunidade estrangeira residente.

"Não sou a favor da exploração de petróleo na nossa zona. A costa vicentina sempre foi conhecida por ser um parque natural e não um parque industrial, portanto, não queremos transformar aquilo que temos de bom numa situação menos boa que não traz vantagens", explicou.

À Lusa, disse manter a esperança que, caso a prospeção avance no terreno se prove que não existe possibilidade de lucro e as petrolíferas se afastem de vez da região.

A ação incluiu ainda a recolha de assinaturas, uma assembleia popular e um 'flash mob'.

A iniciativa foi organizada por várias associações da região e pelo Movimento Algarve Livre de Petróleo (MALP) e contou com o apoio da autarquia.

"A Câmara Municipal de Aljezur aderia a esta forma tolerante mas determinada para dar um grande cartão vermelho à exploração de hidrocarbonetos no Algarve, em terra e em mar, mas muito particularmente para apelas a esta discussão pública em curso até dia 22 (junho) para evitarmos o primeiro furo na bacia do Alentejo, ao largo de Aljezur", disse o autarca José Amarelinho.

Aquele responsável municipal mostrou-se confiante que o processo vai ser travado e salientou que a região tem mostrado a sua posição relativamente a esta questão tanto ao nível popular como ao nível dos seus representantes políticos, tendo a Comunidade Intermunicipal do Algarve avançado com ações judiciais.

"Obviamente poderemos estar quase, quase, a ganhar uma batalha que tem a ver com o 'on-shore' [terra] mas esta batalha no mar não é de todo uma batalha perdida", observou.

Os movimentos envolvidos na luta contra a exploração de hidrocarbonetos no Algarve garantem que vão continuar a promover protestos e ações de sensibilização da população assim como a recolha de assinaturas para petições.

A ida para a praia para esclarecer os turistas sobre a atividade petrolífera no Algarve é uma das possibilidades que estão em avaliação, explicou João Martins da MALP.

Lusa

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23

    Mundo

    Cerca de 1.4 milhões de crianças estão em risco iminente de morrer à fome. Deste modo, a UNICEF faz um apelo urgente de cerca de 230 milhões de euros para levar nos próximos meses comida, água e serviços médicos a estas crianças. As imagens desta reportagem podem impressionar os espectadores mais sensíveis.

  • Vídeo amador mostra destruição na Síria
    1:04

    Mundo

    A guerra na Síria continua a fazer vítimas mortais. Um vídeo amador divulgado esta segunda-feira mostra o estado de uma localidade a este de Damasco, depois de um ataque aéreo no fim-de-semana. No ataque, 16 pessoas morreram e há várias dezenas de feridos.

  • Partidos querem eleições a 1 de outubro
    1:35
  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32
  • Homem que esfaqueou mulher em Esmoriz é acusado de homicídio qualificado
    1:24

    País

    O homem que no sábado esfaqueou a mulher em Esmoriz está acusado de homicídio qualificado. O arguido de 50 anos foi ouvido esta segunda-feira pelo juiz de instrução e ficou em prisão preventiva, uma medida fundamentada pelo perigo de fuga e de alarme. O homem remeteu-se ao silêncio durante o interrogatório, no Tribunal de Aveiro.

  • Homem condenado a oito anos e meio por abuso sexual da mãe
    1:10

    País

    O Tribunal de Coimbra condenou esta segunda-feira um homem de 53 anos a oito anos e meio de prisão por abuso sexual da mãe e ainda por crimes de roubo e coação. A mãe, de 70 anos, sofria de problemas nervosos e consumia bebidas alcoólicas com frequência, tendo sido vítima de abuso sexual por parte do filho enquanto dormia. Os crimes cometidos remetem para o início de 2016, depois do homem já ter cumprido outras penas de prisão em Espanha.

  • Jovem de 21 anos morre colhida por comboio na linha da Beira Baixa
    0:43

    País

    Uma jovem de 21 anos morreu esta segunda-feira ao ser atropelada pelo comboio Intercidades à saída da estação de Castelo Branco, na linha da Beira Baixa. A vítima foi colhida pelo comboio que seguia no sentido Lisboa-Covilhã ao atravessar a linha de caminho de ferro. Este é um local onde não existe passagem de nível, mas habitualmente muitas pessoas arriscam fazer a travessia da linha.

  • Banco do Metro com pénis gera polémica no México

    Mundo

    Um banco em formato de homem com o pénis exposto, numa das carruagens de Metro da Cidade do México, está a gerar polémica. A iniciativa integra uma campanha contra o assédio sexual de que as mulheres são vítima no país.