sicnot

Perfil

País

Bebé que nasceu com mãe em morte cerebral vai deixar cuidados intensivos

O bebé que nasceu com a mãe em morte cerebral já está a ser alimentado exclusivamente com leite humano e vai deixar os cuidados intensivos, anunciou hoje o Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC).

Lourenço, que nasceu no passado dia 7 de junho no Hospital de São José, com a mãe em morte cerebral há 15 semanas, "está clinicamente estável e a sua evolução prossegue favoravelmente", não necessitando já de cuidados intensivos, adianta o CHLC em comunicado.

Segundo o comunicado, o bebé encontra-se "transferível para os Cuidados Intermédios da Unidade de Neonatologia", informando ainda que o bebé está a alimentar-se sem necessidade de soro.

Num comunicado divulgado no domingo, o centro hospitalar informava que o bebé estava com 2,210 quilos, tendo aumentado 50 gramas relativamente ao dia anterior.

O nascimento do bebé no Hospital de São José é um facto inédito na medicina portuguesa, tendo a presidente do Centro Hospitalar de Lisboa Central, Ana Escoval, afirmado no dia a seguir ao nascimento que o Hospital de São José viveu e testemunhou um "facto inédito".

As equipas de Obstetrícia e da Unidade de Neurocríticos do Centro Hospitalar de Lisboa Central realizaram uma cesariana programada à mulher, que estava em morte cerebral desde 20 de fevereiro.

O bebé nasceu com 2,350 kg, após uma gestação de 32 semanas, sem complicações durante e após o ato cirúrgico.

A morte cerebral da mãe, de 37 anos, foi declarada na sequência de uma hemorragia intracerebral.

A Comissão de Ética e Direção Clínica do Centro Hospitalar de Lisboa Central deu o seu parecer e, em conjunto com a decisão da família da mãe e da família paterna da criança, acordaram manter a gravidez até às 32 semanas de maneira a garantir a viabilidade do feto.

Lusa

  • Despenalização da eutanásia votada na terça-feira no Parlamento
    2:04
  • Há companhias aéreas a contratar. TAP é uma delas
    1:28

    Economia

    Com o crescimento do turismo, que continua a bater recordes, as companhias aéreas querem profissionais para reforçar as rotas com maior procura e oferecer novos destinos. Só a TAP prevê contratar mais 700 pessoas este ano para várias funções, incluindo 300 tripulantes de cabina e 170 pilotos.

  • Trump remarca encontro com Kim Jong-un no Twitter
    2:33

    Mundo

    A Coreia do Sul e a Coreia do Norte reuniram-se pela segunda vez em menos de um mês. Os Presidentes dos dois países dizem que estão a cooperar para que a cimeira entre Washington e Pyongyang, em Singapura, seja um sucesso. Donald Trump regressou ao Twitter para remarcar a cimeira a 12 de junho.