sicnot

Perfil

País

PCP abre debate quinzenal de amanhã com António Costa

O PCP abre o debate quinzenal deamanhã com o primeiro-ministro, com as questões económicas e sociais como temas, numa semana marcada pelo processo de recapitalização da Caixa Geral de Depósitos (CGD).

ANT\303\223NIO COTRIM

O debate quinzenal com António Costa de quarta-feira tem como temas gerais escolhidos pelos partidos as questões políticas, económicas, sociais e relações internacionais, sendo o PCP o primeiro partido a intervir e o PAN o último.

A ida do primeiro-ministro ao parlamento acontece um dia depois de António Costa ter afirmado que está quase concluído com a União Europeia o processo de recapitalização da CGD.

Para o primeiro-ministro, em termos de estabilidade do sistema financeiro português "é essencial a existência de um banco 100 por cento nacional - uma garantia que só existirá com uma Caixa Geral de Depósitos 100 por cento pública e devidamente recapitalizada".

Na segunda-feira, o deputado do PSD Duarte Pacheco exigiu explicações ao Governo sobre as necessidades de capitalização da CGD e não excluiu a constituição de uma comissão parlamentar de inquérito, instrumento parlamentar defendido pelo comentador e ex-líder do PSD Luís Marques Mendes na SIC no domingo.

No mesmo dia, o presidente da bancada parlamentar social-democrata, Luís Montenegro, também desafiou António Costa a responder às 30 questões que o PSD enviou a António Costa sobre a CGD.

Em entrevista hoje ao Jornal de Negócios, a líder do CDS-PP, Assunção Cristas, criticou a atuação do Governo em relação à Caixa, considerando prioritário que o primeiro-ministro esclareça como vai ser capitalizada, qual o montante e o que está em causa.

Também hoje o secretário-geral do PCP defendeu a recapitalização do banco, mas "acompanhada do fortalecimento da atividade" da instituição, defendendo que aquele banco não deve existir para "tapar buracos" e sim para estar ao serviço da economia.

Na sexta-feira, a porta-voz do BE, Catarina Martins, assumiu que os bloquistas têm discordâncias quanto à Caixa com o Governo e que este vai ter que, "mais cedo do que tarde, explicar exatamente as contas" do banco, sendo prioritário garantir que "há uma recapitalização pública" da CGD.

Outro dos assuntos que tem marcado a discussão política dos últimos dias são as eventuais sanções a Portugal pela Comissão Europeia, não tendo o PSD e CDS-PP chegado a acordo com a esquerda na semana passada em torno de um texto comum a condenar esta aplicação, o que resultou na apresentação de dois votos de condenação distintos.

Os ministros das Finanças da União Europeia (Conselho Ecofin) vão discutir na sexta-feira, no Luxemburgo, a decisão da Comissão Europeia de adiar decisões sobre eventuais sanções a Portugal e Espanha devido ao défice, afirmou hoje Jeroen Dijsselbloem.

No último debate quinzenal, a 27 de maio, a execução do Programa Nacional de Reformas foi tema escolhido pelo Governo, mas a greve dos estivadores, os contratos de associação e as sanções a Portugal acabaram por marcar a discussão no parlamento.

Lusa

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Filhos tentam anular casamento de pai de 101 anos

    País

    O casamento de um homem de 101 anos com uma mulher com metade da idade, em Bragança, está a ser contestado judicialmente pelos filhos do idoso, que acusam aquela que era empregada da família de querer ser herdeira.