sicnot

Perfil

País

Mais de 2,1 milhões de refeições salvas do desperdício no último ano em Lisboa

O plano contra o desperdício alimentar na cidade de Lisboa salvou no último ano mais de 2,1 milhões de refeições do desperdício, que acabaram distribuídas por pessoas necessitadas, informou hoje o Comissariado Municipal para o Combate ao Desperdício Alimentar.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Stefanie Loos / Reuters

De acordo com o vereador centrista João Gonçalves Pereira, que lidera o Comissariado, entre maio de 2015 e maio deste ano, foram "recuperadas 2.134.704 refeições pelas 94 entidades parceiras da rede municipal de combate ao desperdício alimentar, que trabalham nas 24 freguesias de Lisboa".

"Um valor de recuperação que não é mensurável", acrescentou, numa conferência de imprensa para apresentação do relatório com o balanço do plano, salientando que "não há nenhum país do mundo que tenha uma rede alimentar que cubra toda uma cidade".

Em 2015, a Comunidade Vida e Paz (CVP), um dos parceiros, reaproveitou 768 mil euros nas refeições que distribuiu, segundo um sistema de impacto social que a associação tem implementado desde há dois anos, revelou, por seu lado, Henrique Joaquim, responsável pela CVP.

A CVP apoia 60 agregados familiares com alimentos, cerca de 250 pessoas, algumas com regularidade semanal, "mas sempre de uma forma transitória", porque o objetivo da organização é "tirar pessoas da rua e criar condições para que possam voltar a [viver] de forma autónoma".

"Não só encontramos pessoas em situação de sem-abrigo e pessoas que tipicamente estão na rua, como encontramos há vários anos - e nos últimos anos esse número foi talvez o que mais aumentou - pessoas que, não estando na rua, estão em situação de grave vulnerabilidade social e que procuram o apoio dos voluntários no sentido de suprir uma necessidade que é a da alimentação", disse.

Henrique Joaquim destacou, ainda, que os alimentos distribuídos "não são sobras", mas alimentos "que foram confecionados nesse dia, acondicionados nesse dia e devidamente acondicionados", no que a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) "tem sido um parceiro fundamental".

O programa municipal de combate ao desperdício alimentar tem já dois núcleos oficialmente constituídos, no âmbito de comissões sociais de freguesia, em Belém e em Santa Clara, e deverá ter núcleos em todas as outras freguesias, exceto Campolide, que já tinha em funcionamento um projeto próprio semelhante.

Este envolvimento das juntas de freguesia é destacado pelo vereador dos Direitos Sociais da Câmara de Lisboa, João Afonso, salientando que "o trabalho contra o desperdício alimentar é um trabalho local", porque é a nível local que se conhece melhor "a real expressão das necessidades do território e é, também, onde estão os voluntários".

Um terço dos alimentos produzidos para consumo humano em todo o mundo é desperdiçado, o que corresponde a 1,3 mil milhões de toneladas por ano, segundo dados da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO).

Na Europa, o desperdício anual anda na ordem dos 30 a 50% dos alimentos produzidos, o que representa 89 milhões de toneladas de alimentos.

Em Portugal são desperdiçadas cerca de um milhão de toneladas de alimentos por ano.

Lusa

  • 60 milhões de crianças com menos de 5 anos vão morrer entre 2017 e 2030

    Mundo

    Cerca de 15 mil crianças com menos de cinco anos morreram em 2016 em todo o mundo, e 46% destas morreram nos primeiros 28 dias de vida, segundo um relatório divulgado na quarta-feira pela Unicef. Apesar de se ter registado uma descida da mortalidade nos primeiros cinco anos de vida, de 9,9 milhões de mortes em 2000 para 5,6 milhões em 2016, a proporção de recém-nascidos entre os falecidos aumentou de 41% para 46% neste período.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15

    Opinião

    José Gomes Ferreira diz que as pessoas que ateiam fogo nas florestas sabem "estudar os dias e o vento para arder o máximo possível". Em entrevista no Jornal da Noite, o diretor-adjunto de Informação da SIC, fala na importância de haver uma auditoria para tentar perceber o porquê de haver tantas ignições e saber se há alguém que ganhe com esta vaga de incêndios. 

    José Gomes Ferreira

  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.