sicnot

Perfil

País

Petição contra pesquisa de petróleo em Aljezur entregue dia 22 na AR

Uma petição contra a atribuição de licença para a procura de petróleo em Aljezur (Algarve) vai ser entregue no parlamento na quarta-feira, anunciou hoje o partido PAN - Pessoas-Animais-Natureza, que se associa à iniciativa.

LUSA/ ARQUIVO

A iniciativa, inicialmente promovida pela Associação de Surf e Atividades Marítimas do Algarve (ASMAA), acabou por receber o apoio do PAN e de várias autarquias algarvias.

Estas entidades opõem-se à atribuição de uma licença de Título de Utilização Privativa do Espaço (TUPEM) relativa ao consórcio GALP/ENI, uma multinacional petrolífera Italiana (Ente Nazionale Idrocarburi S.p.A.) que pretende explorar petróleo na área de Santola, na Bacia do Alentejo, em Aljezur.

Entre as várias razões para se opôr à licença, a ASMAA aponta na petição pública o valor ambiental, social e económico para o Algarve e todos os seus residentes e habitantes da Costa Vicentina, o facto de a zona para onde está prevista a perfuração ter habitats importantes para os animais e a falta de um estudo que tenha em conta o impacto ambiental dessa atividade.

Com esta petição, a ASMAA e as outras entidades que apoiam a iniciativa pretendem que se reflita sobre "os impactos ambientais, sociais e económicos tanto da exploração como da mineração associados ao projeto por parte da ENI", refere o texto da petição, que recolheu mais de 4.300 assinaturas em 10 dias.

Para demonstrar a sua objeção à procura de petróleo em Alzejur, a ASMAA lançou também uma campanha de informação ao público com a qual pretende esclarecer a população sobre os impactos negativos daquela atividade.

Igualmente para protestar contra a licença para este furo de pesquisa de petróleo está marcada para dia 25 de junho uma manifestação, em Aljezur, convocada por vários movimentos.

O furo de sondagem para procura de petróleo será levado a cabo pelo consórcio GALP-ENI e está marcado para o dia 1 de julho.


Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras