sicnot

Perfil

País

Ligação aérea entre Lisboa e Abidjan aproximará empresas dos dois países

O primeiro-ministro português e o primeiro-ministro da Costa do Marfim defenderam hoje o aprofundamento das relações económicas e comerciais entre os dois países, assinando cinco acordos e protocolos, incluindo para a ligação aérea entre Lisboa e Abidjan.

Primeiro-ministro da Costa do Marfim, Daniel Duncan, recebido por António Costa.

Primeiro-ministro da Costa do Marfim, Daniel Duncan, recebido por António Costa.

INACIO ROSA

"Seguramente este acordo para as ligações áreas ente Lisboa e Abidjan estreitará as distâncias entre os nossos povos, entre as nossas empresas e será um instrumento muito importante para aproximar as relações entre os nossos países", afirmou o chefe de Governo português, António Costa.

António Costa disse ter "forte expectativa" no "desenvolvimento das relações económicas" entre os dois países e o primeiro-ministro da Costa do Marfim, Daniel Duncan, que participará num fórum económico no Porto, corroborou a ideia, sublinhando que a "distância é de cerca de cinco horas de voo" entre a capital portuguesa e a maior cidade daquele país africano, Abidjan.

"A Costa do Marfim é um país que avança muito rapidamente. Temos um crescimento de 9% ao ano desde 2012. A ambição do Presidente da República é de fazer da Costa do Marfim um país emergente em 2020", declarou o primeiro-ministro da Costa do Marfim.

A energia e a construção de autoestradas foram áreas apontadas por Daniel Duncan como potenciais para negócios com empresas portuguesas.

O chefe de Governo da Costa do Marfim sublinhou ainda a importância de ensinar a língua portuguesa na Costa do Marfim, que é francófona, dando conta de uma evolução na formação de formadores para esse efeito.

António Costa sublinhou que ao longo dos últimos anos Portugal e a Costa do Marfim têm vindo a intensificar as suas relações, que estão atualmente "num nível bastante desenvolvido e promissor para o futuro".

"Esta visita marca um momento importante das nossas relações. É uma visita que não se traduz só do ponto de vista político, visto que a Costa do Marfim é um dos países que mais tem crescido economicamente em África e que constitui uma excelente oportunidade de investimento para as empresas portuguesas", afirmou.

Frisando que África é o segundo parceiro comercial de Portugal a seguir à União Europeia, António Costa enquadrou a visita do primeiro-ministro da Costa do Marfim num conjunto mais vasto de contactos e acordos recentes, como a assinatura com Marrocos de um acordo para "interconexão elétrica", e a visita do primeiro-ministro de Cabo Verde, na semana passada.

Os chefes de governo dos dois países assinaram um acordo que visa "regulamentar as relações entre as duas partes no que respeita ao trafego aéreo" e um acordo cooperação no domínio do turismo, com várias vertentes, designadamente a "administração e a gestão do turismo, a formação de recursos humanos, o desenvolvimento de produtos turísticos, o marketing especializado e a cooperação entre instituições privadas".

Foi ainda assinado um protocolo de cooperação entre o Ministério dos Negócios Estrangeiros português e o Ministério dos Negócios Estrangeiros da Costa do Marfim para o intercâmbio de formação de pessoal dos dois ministérios.

Portugal e a Costa do Marfim assinaram também protocolos no domínio da saúde e da informação e comunicação, em rádio, televisão, da imprensa e das agências de imprensa, da formação e da conservação de arquivos audiovisuais.

Lusa

  • Fuzileiros continuam no terreno a ajudar população
    3:03
  • Chef russo aconselha bife tártaro aos jogadores portugueses
    1:29
  • NotPetya: Lourenço Medeiros explica o novo ciberataque global
    2:44
  • Desacatos no aeroporto de Faro deixam turistas britânicos em terra
    1:46

    País

    Cinco pessoas, que integravam o grupo de turistas britânicos que nos últimos dias causou desacatos em Albufeira, foram ontem impedidas de regressar a Inglaterra. Agressões no aeroporto e desacatos à entrada do avião levaram os comandantes de dois voos a recusar levar aqueles passageiros.