sicnot

Perfil

País

Ministério do Trabalho não foi contactado sobre eventual despedimento no Porto de Lisboa

O ministro do Trabalho garantiu hoje que o Ministério nunca foi contactado no âmbito do eventual despedimento coletivo no Porto de Lisboa anunciado pelos operadores durante a greve dos estivadores, entretanto suspensa após um acordo.

© Rafael Marchante / Reuters

"Não foi o Ministério do Trabalho contactado como teria de ser, nos termos da lei, para desencadear qualquer processo de despedimento coletivo no Porto de Lisboa", assegurou hoje o ministro Vieira da Silva, no parlamento.

O ministro da tutela, que está hoje a ser ouvido na Comissão parlamentar do Trabalho e Segurança Social, pronunciou-se sobre a situação do Porto de Lisboa na sequência de um requerimento apresentado pelo Bloco de Esquerda, em maio, para esclarecer a ameaça levada a cabo pelos operadores portuários de um eventual despedimento coletivo, como forma de suspender a greve, entretanto suspensa na sequência de um acordo entre as partes no passado dia 27 de maio.

"Não o considero muito feliz, mas aquilo que poderia ser o início de um problema concreto - um despedimento coletivo na sequência de uma greve - não foi espoletado", afirmou Vieira da Silva, reiterando que "não houve nenhum contacto com o Ministério" a este propósito.

De acordo com o governante, o Governo tudo fará para respeitar o direito à greve, em qualquer circunstância e em qualquer setor, independentemente do impacto económico que essa paralisação possa ter, como foi o caso da greve do Porto de Lisboa.

"O exercício de direitos desta natureza nem sempre se faz num quadro de perfeita acalmia, mas julgo que o exercício do direito à greve no caso do Porto de Lisboa é um deles", sublinhou o ministro do Trabalho.

No passado dia 23 de maio, os operadores do Porto de Lisboa anunciaram a intenção de avançar com um despedimento coletivo por redução da atividade, depois de ter sido recusada uma proposta de acordo de paz social.

Quatro dias depois, os estivadores e os operadores do porto de Lisboa chegaram a um acordo na noite de 27 de maio que permitiu a suspensão imediata da greve e a um compromisso para que, no prazo de 15 dias, fosse assinado um novo Contrato Coletivo de Trabalho (CCT), mas que ainda não se concretizou, continuando as partes em negociações.

A última fase de sucessivos períodos de greve, que se iniciou há três anos e meio, arrancou a 20 de abril e terminou a 28 de maio, no dia seguinte à celebração do compromisso.


Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.