sicnot

Perfil

País

Cacifos para sem-abrigo no Rossio e Oriente em espera desde outubro

A instalação de 24 cacifos para pessoas sem-abrigo nas zonas do Rossio e do Oriente, em Lisboa, encontra-se aguardar desde outubro de 2015, por falta de acordo entre as juntas de freguesia e a associação responsável pelo projeto.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

LUSA

"O prazo de implementação terminou no fim de maio para a colocação desses 24 cacifos", disse à agência Lusa o presidente da Associação Conversa Amiga (ACA), explicando que este era o período estabelecido no acordo com a Câmara de Lisboa, uma vez que a autarquia apoia 60% do investimento no projeto.

Segundo Duarte Paiva, a associação já pediu "uma extensão do prazo" à Câmara para poder apresentar mais propostas de colocação dos cacifos, defendendo que "os constrangimentos são simplesmente a não-aceitação das juntas de freguesia".

Na zona do Rossio, a inauguração de 12 cacifos estava marcada para 26 de outubro, tendo como local previsto o Largo de São Domingos, mas não aconteceu devido a queixas de lojistas. Até ao momento, a Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, responsável pela ocupação do espaço público daquela zona, ainda não conseguiu encontrar uma nova localização para acolher o equipamento.

"Não posso colocar cacifos num sítio qualquer, porque há condicionalismos históricos e há condicionalismos da Direção Geral do Património Cultural", disse o presidente da Junta de Freguesia de Santa Maria Maior, Miguel Coelho, frisando que "não há nenhuma falta de disponibilidade" para receber o projeto.

Já na zona do Oriente, que pertence à freguesia do Parque das Nações, a colocação de 12 cacifos destinados a pessoas sem-abrigo estava prevista para o primeiro semestre deste ano, contudo a Junta de Freguesia ainda não chegou a acordo com a associação.

O presidente da Junta do Parque das Nações, José Moreno, assegurou que a proposta dos cacifos está ainda em análise, reforçando que "é um assunto que não está esquecido".

Idealizado pela ACA, o projeto Cacifos Solidários começou em outubro de 2013 com a instalação de 12 cacifos na zona de Arroios, em Lisboa, encontrando-se em expansão pela cidade, através da implementação de mais 12 unidades na zona de Santa Apolónia, em dezembro de 2015.

O presidente da ACA, Duarte Paiva, explicou que a associação pretende instalar mais 36 cacifos até ao final deste ano, referindo que o objetivo é ter uma rede de 60 unidades em Lisboa.

De acordo com o responsável pelo projeto, a Junta de Freguesia de Santa Maria Maior rejeitou sete propostas de localização para os 12 cacifos na zona do Rossio, pelo que a associação está neste momento à procura de novas localizações na zona envolvente, designadamente "zonas de outras freguesias que possam responder a esta necessidade" das pessoas sem-abrigo.

Na freguesia do Parque das Nações, a ACA tem ainda uma possibilidade de localização em aberto, uma hipótese que está a ser explorada pela Câmara de Lisboa com a administração da Gare do Oriente, para quem já foi enviada uma proposta de instalação dos cacifos, disse Duarte Paiva, explicando que o local "pode não ser dentro da estação, pode ser no exterior, mas numa zona que pertence à administração da Gare do Oriente".

Com os problemas na implementação de cacifos nas zonas do Rossio e do Oriente, a associação encontra-se já a estudar outras localizações na capital, como as zona do Marques de Pombal, Santos e Cais do Sodré.

Atualmente, o projeto Cacifos Solidários faz o acompanhamento de "cerca de 160 casos de pessoas sem-abrigo", ainda que a maioria não tenha um cacifo atribuído para guardar os seus pertences.

A ACA tem a decorrer a campanha "Apadrinhe 1 Cacifo Solidário", que visa "fazer com que a sociedade civil participe no projeto", através da doação de 12 euros mensais.


Lusa

  • Primeira residência para sem-abrigo de Lisboa
    3:34

    País

    Abre hoje a primeira residência para sem-abrigo de Lisboa. Será uma república apoiada pela Junta de Freguesia de Arroios e pela Santa Casa da Misericórdia da Lisboa. Quatro pessoas que têm vivido na rua nos últimos anos receberam a chave de uma casa que vão partilhar nos próximos tempos.

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.