sicnot

Perfil

País

Sindicato diz que redução de docentes é incompatível com melhor educação

O Sindicato Independente de Professores e Educadores (SIPE) contestou hoje o relatório dos técnicos do Fundo Monetário Internacional (FMI) para Portugal, alegando que a redução de docentes é incompatível com a melhoria da educação.

(Arquivo)

(Arquivo)

PAULO NOVAIS

O sindicato refere-se ao documento "Da crise à convergência: traçar um rumo para Portugal", editado em livro e cuja apresentação decorreu hoje na Nova School of Business and Economics, em Lisboa.

"A recomendação da rápida diminuição de professores, a contenção de progressões, entre outros cortes envolvendo custos com funcionários, em nada contribui para melhorar o sistema de ensino", afirma o SIPE em comunicado.

O SIPE considera "completamente injustificáveis" as considerações do FMI sobre o ensino em Portugal: "Este cenário já o país conhece, daquilo a que assistimos nos últimos anos".

A estrutura sindical sublinhou que as alterações introduzidas ao longo dos últimos anos, como a criação de grandes agrupamentos escolares, o aumento do número de alunos por turma e a redução de disciplinas ligadas às artes, deixaram milhares de professores desempregados.

"O relatório assinado pelo chefe da missão do FMI em Portugal, Subir Lall, refere haver uma necessidade de adequar a dimensão dos serviços educativos, tanto a nível da rede escolar como do número de professores, alinhando o nível do pessoal com a diminuição da população em idade escolar", frisa o SIPE, contestando que a eficiência defendida pelos técnicos do Fundo Monetário Internacional se faça à custa de mais cortes no setor.

Subir Lall assinou o relatório juntamente com outros dois economistas do FMI, Dmitry Gershenson e Albert Jaeger, intitulado "Da crise à convergência: traçar um rumo para Portugal".

No documento, os três economistas olham para o que Portugal alcançou durante o resgate financeiro e indicam o que consideram que o país deve fazer para ultrapassar os desafios que se colocam, sendo que este relatório não representa necessariamente a visão do Conselho de Administração do FMI.

O chefe de missão do FMI defendeu no relatório, divulgado na terça-feira, que os ganhos de competitividade alcançados nos últimos anos "têm de ser mantidos" e que a sua sustentabilidade "não pode ser tomada como garantida".

Afirmou igualmente que Portugal não precisa de mais investimento público em infraestruturas para promover o crescimento, considerando que é preciso reforçar a educação para melhorar as competências dos trabalhadores.

Segundo a mesma fonte, Portugal deve apoiar a criação de emprego dos trabalhadores com baixas qualificações, combinado reformas direcionadas para estas pessoas com uma "política de salário mínimo prudente".

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.