sicnot

Perfil

País

Diplomas para reforma das freguesias baixam a especialidade sem votação na generalidade

Projetos do PCP e Bloco para a reposição das freguesias extintas em 2013 e uma resolução socialista a recomendar ao Governo uma reforma do mapa e das competências das freguesias, baixaram hoje diretamente a comissão de especialidade.

LUSA/ ARQUIVO

No período de votações regimentais, em plenário, a Assembleia da República aprovou por unanimidade um requerimento apresentado pelo PCP para que todo o pacote de diplomas com incidência nas freguesias não fosse objeto de votação na fase de generalidade.

Uma solução que surgiu na sequência de um princípio de entendimento político, envolvendo sobretudo socialistas e comunistas, no sentido de se tentar a prazo chegar a um acordo global em torno de uma reforma do mapa e das competências futuras das freguesias.

O PCP, tal como o Bloco de Esquerda, pretende revogar imediatamente a reforma feita pelo ex-ministro social-democrata Miguel Relvas, que resultou numa fusão de freguesias em todo o país.

No debate travado em plenário na quinta-feira, a deputada do PCP Paula Santos considerou que essa "extinção de freguesias contribuiu para o agravamento das assimetrias regionais já existentes, sobretudo nos territórios do interior".

Ainda de acordo com a mesma deputada comunista, a redução de freguesias afastou os eleitos das populações, com o encerramento de serviços, e "perdeu-se representatividade política" e "capacidade reivindicativa" com a consequente diminuição de 20 mil eleitos.

Um argumento contestado por PSD e CDS-PP, partidos que entendem que as freguesias "ganharam escala e mantiveram a mesma proximidade das populações" na sequência da reforma feita pelo anterior executivo.

O PS aceita grande parte das críticas do PCP e Bloco de Esquerda à reforma de 2013 feita pelo anterior Governo, dizendo que foi feita "a régua e esquadro" e "de cima para baixo", tendo sido "imposta aos autarcas e populações".

No entanto, o PS defende que o novo mapa de freguesias só deverá entrar em vigor após 2017, a par da transferência de um aumento de competências.

Para o efeito, os socialistas salientam que o Governo tem já nomeado um grupo de trabalho com representantes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (ANMP) e da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE).

"O PS quer uma reforma do Poder Local com cabeça, tronco e membros que dure várias legislaturas", afirmou o dirigente socialista Renato Sampaio.

Lusa

  • PS não apoia reversão total das freguesias extintas pelo Governo anterior
    1:54

    País

    O PCP e o Bloco de Esquerda querem repor as freguesias que foram extintas durante o Governo PSD/CDS. O Parlamento discutiu esta tarde as propostas. O Bloco de Esquerda diz que a reforma feita pelo Executivo anterior foi prejudicial e propõe a realização de referendos locais. O PS diz que não apoia a reversão total, mas quer corrigir o que está errado.

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".