sicnot

Perfil

País

CDS-PP propõe criação de suplemento para reforma de adesão voluntária

O CDS-PP defende a possibilidade de os trabalhadores descontarem para um suplemento da sua reforma, implicando benefícios fiscais para trabalhador e empregador, medida associada à prestação de informação aos contribuintes da "expectativa do valor da pensão".

(LUSA/ ARQUIVO)

O projeto de lei para um "Contrato de Transparência, que cria o Sistema de Informação para a Reforma, o Suplemento para a Reforma e o Instrumento de Planeamento da Pensão" será apresentado na segunda-feira pela presidente do partido, Assunção Cristas, e discutido na quarta-feira no parlamento, num agendamento do CDS-PP.

Os centristas não avançam já com uma proposta global de reforma do sistema de pensões, sublinhando a necessidade de apresentar propostas que "possam gerar consenso".

"Isto não significa que o CDS esgote aqui tudo o que pensa sobre a Segurança Social, nem que entenda que não há mais nada a mudar. Mas este assunto tem uma importância tal na vida dos portugueses que queremos mostrar que, quando há genuína vontade, os políticos podem começar a trabalhar passo a passo", argumentou o vice-presidente centrista Adolfo Mesquita Nunes, em declarações à Lusa.

O suplemento para a reforma proposto pelo CDS "assenta no atual pilar de capitalização do sistema de pensões", é de adesão voluntária pelo trabalhador, que também define a percentagem da sua remuneração a investir e pode ser acompanhado de uma "cotização voluntária da entidade empregadora ao sistema".

A proposta prevê benefícios fiscais: as contribuições do trabalhador "são abatidas em material coletável para efeitos do IRS" e "a comparticipação da entidade empregadora dá direito a um benefício em sede fiscal, permitindo uma compensação através da utilização da conta corrente entre o Estado e as entidades empregadoras".

O suplemento é criado no regime público de capitalização e o montante das contribuições é creditado numa conta individual do aderente, sendo "estas contas individuais convertidas em certificados públicos de reforma ou produtos de outros regimes de natureza mutualista ou privada, à escolha do beneficiário".

A adesão ao regime é voluntária, mas é automática na altura da inscrição como contribuinte na Segurança Social (quem não pretende aderir deve manifestar essa recusa). Os trabalhadores podem aderir ou abandonar este sistema no início de cada ano civil.

Esta proposta é associada a uma outra, já anunciada pelo CDS-PP, de permitir aos contribuintes terem acesso à informação sobre o valor da pensão que terão na altura da reforma.

Assim, são criadas "contas individuais virtuais" que "detalham as respetivas contribuições e cotizações, anos de descontos e estimando o valor futuro da sua pensão nas condições legais vigentes".

Insistindo na necessidade de se criarem entendimentos, os centristas reconhecem que, "numa matéria tão complexa" como esta não se deve pensar que um "consenso é atingível em toda a arquitetura do sistema, mas que é possível convergir nalguns pontos concretos de melhoria".

"É entendimento do CDS-PP que existem pontos em que não será impossível alcançar um consenso, nomeadamente no que respeita a introduzir melhorias no sistema de pensões com o objetivo de aumentar a sua transparência, de promover uma maior informação aos cidadãos, de garantir um melhor planeamento e de incentivar à poupança que seja geradora de melhores pensões no futuro", afirmam.

Os centristas sublinham a necessidade de se realizar "um debate amplo, participado, sério e rigoroso em torno do tema da segurança social".

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • Equipa especial de três magistradas investiga crimes ligados ao futebol
    0:46

    Desporto

    A procuradora-Geral da República criou uma equipa com três magistradas para investigar os inquéritos relativos a crimes ligados ao futebol, que começou a trabalhar no início deste mês, no Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP). Na edição do Tempo Extra desta quinta-feira, Rui Santos disse que a equipa promete reultados a curto prazo.

  • Hoje é notícia

    País

    Esta 5ª feira fica marcada pelo debate no Parlamento sobre a paridade, com duas propostas de lei do Governo para aumentar quotas de representação dos sexos de 33,3 para 40% no poder político e nos cargos dirigentes da administração pública. Termina ainda hoje prazo para lesados do BES aderirem a fundo de compensação de perdas. Ao nível internacional, destaque para a proclamação do novo Presidente de Cuba.

  • Mulher de português raptado em Moçambique faz apelo ao Governo
    0:24

    País

    Salomé Sebastião, a mulher do empresário português raptado em julho de 2016, em Moçambique, foi esta quarta-feira ouvida na Comissão Parlamentar de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas, no âmbito da petição entregue na Assembleia da República. A petição, subscrita por mais de quatro mil pessoas, pede aos deputados portugueses que pressionem as autoridades moçambicanas a investigar o paradeiro do português Américo Sebastião.

  • Sismo de magnitude 5,5 no sul do Irão

    Mundo

    Um sismo de magnitude 5,5 atingiu esta quinta-feira o sul do Irão, perto de uma unidade nuclear, abalando o Bahrein e outras áreas ao redor do Golfo Pérsico, segundo o Serviço Geológico dos EUA.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.