sicnot

Perfil

País

Carta aberta para criar alternativas à praxe

Uma carta aberta subscrita por 100 personalidades, entre as quais o professor universitário José Adelino Maltez ou o militar de Abril Vasco Lourenço, pede aos dirigentes das instituições do ensino superior que criem "uma alternativa" à praxe.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

A carta aberta a todas as instituições de ensino superior, denominada "Integração no ensino superior: a democracia faz-se de alternativas", será hoje divulgada e estará disponível no 'site' http://Democraciaeescolher.wordpress.com, onde quem quiser a poderá subscrever, disse à Lusa o deputado bloquista Luís Monteiro, promotor da iniciativa.

"Instamos todas as equipas dirigentes das universidades, politécnicos, faculdades e escolas superiores a criar, com caráter duradouro, atividades de receção e de integração dos novos estudantes e das novas estudantes, ao longo do ano letivo, que configurem uma alternativa lúdica e formativa às iniciativas promovidas pelos grupos e organizações de praxe", lê-se na carta aberta.

"Apelamos também a que as mesmas instituições informem atempadamente e eficazmente todos os novos alunos e todas as novas alunas, por exemplo através do envio de um email ou entregando, no ato da matrícula, um esclarecimento nesse sentido, de que as atividades de praxe não constituem qualquer espécie de obrigação e que não podem ser prejudicadas de nenhuma forma ou ameaçadas de qualquer maneira por recusarem participar, devendo ser fornecido um contacto para ao qual possam ser endereçadas queixas", refere ainda a missiva.

"A praxe é um problema social que não pode passar despercebido", afirmou o deputado do Bloco de Esquerda, salientando que o problema das praxes, além de ser discutido em termos legislativos pelo parlamento, "também precisa de ser debatido na sociedade civil".

Esta "é uma carta que não procura espaço ideológico", já que conta "com pessoas de vários quadrantes sociais e profissionais", acrescentou Luís Monteiro.

Entre os subscritores contam-se, entre outros, escritores como Luísa Costa Gomes e Miguel Sousa Tavares, os deputados Paula Teixeira da Cruz (PSD), Alexandre Quintanilha (PS), Teresa Caeiro (CDS-PP) e André Silva (PAN).

O antigo ministro da Saúde e advogado António Arnaut é também um dos subscritores do documento.

A atriz Ana Zannatti, a apresentadora Catarina Furtado, o sociólogo André Freire, a viúva do escritor José Saramago, Pilar del Rio, o músico Miguel Guedes e a cineasta Margarida Gil, são também subscritores da petição.

"O objetivo desta iniciativa é um apelo direto aos dirigentes das instituições superiores para criarem uma alternativa à integração dos estudantes" que não passe pelo recurso à praxe, salientou o deputado, esperando com esta iniciativa abrir uma discussão ampla sobre o tema na sociedade civil.

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.