sicnot

Perfil

País

Contraordenações diminuíram 25% com Carta por Pontos

Um mês após a introdução da nova Carta de Condução por pontos, foi registada uma diminuição de 25,4% nas contraordenações.

O regime da Carta de Condução por pontos entrou em vigor há um mês e as contraordenações diminuíram, no mês de junho, 25,4%, disse hoje o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes.

"As contraordenações tiveram uma quebra de 25,4 por cento, isto quer dizer que contraria completamente aquilo que as pessoas diziam, que com a Carta por Pontos estávamos a trabalhar para a caça à multa, o que não é verdade", disse aos jornalistas Jorge Gomes, no final da cerimónia que assinalou o arranque do primeiro dos 30 radares do Sistema Nacional de Controlo de Velocidade, que serão instalados até ao final do ano.

O secretário de Estado adiantou que esta redução nas contraordenações, durante o primeiro mês da entrada em vigor da Carta por Pontos, demonstra que os condutores passaram a ter um "comportamento completamente diferente na estrada".

Jorge Gomes acrescentou também que o importante para o Estado português "não é ter receitas pelas contraordenações", nem "despesas com a sinistralidade", mas sim reduzir o número de acidentes rodoviários nas estradas.

Com o sistema da Carta por Pontos, que entrou em vigor no dia 1 de junho, todos condutores passaram a ter um cadastro, com uma pontuação inicial de 12 pontos, que aumenta ou diminui, em função das infrações.

A cada Carta de condução são atribuídos 12 pontos, que vão diminuindo à medida que o automobilista vai cometendo contraordenações graves, muito graves ou crimes rodoviários, mas que podem aumentar caso não existam infrações ao fim de três anos, nunca ultrapassando os 15 pontos.

Lusa

  • "O que é isto, mamã?"
    36:23
  • O ensino à distância em Portugal
    4:12

    País

    Em Portugal, o ensino básico e secundário à distância já conta com 300 alunos e com a preciosa ajuda das novas tecnologias. É através do computador que a escola viaja e acompanha os alunos, alguns com doenças que não os permitem ir às aulas, outros que são atletas de alta competição e que têm a maior parte do tempo ocupado por treinos ou ainda os que fazem parte de famílias itenerantes, como é o caso dos que vivem no circo e andam de terra em terra.

  • Aprender a jogar badminton ao ritmo do samba
    2:54

    Mundo

    No Brasil, a correspondente da SIC foi conhecer um projeto social no Rio de Janeiro que mistura samba e desporto. Um desporto que ainda é pouco praticado mas que tem sido fundamental para transformar a vida de jovens das favelas e para descobrir novos talentos do badminton brasileiro.

    Correspondente SIC