sicnot

Perfil

País

Acórdão da Relação diz que Carlos Cruz não tem de concordar com condenação

A decisão do Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) que concedeu, em sede de recurso, a liberdade condicional a Carlos Cruz fundamenta que "não há que exigir ao condenado que concorde com a condenação".

"Não há que exigir ao condenado que concorde com a condenação, que se tenha tornado bom e humilde, obediente e concordante com o ordenamento jurídico, embora essa adesão seja desejável, mas (...) não exigível, pois o direito penal situa-se num âmbito distinto do da moral", lê-se no acórdão do TRL, a que a agência Lusa teve acesso.

O acórdão da Relação refere que "não se afigura que, no caso concreto, seja fundamento para negar a concessão da liberdade condicional que o condenado desvalorize a gravidade do crime (...) ou considere a pena excessiva, se dessa postura não resulta que há perigo de ele vir a cometer novos crimes".

Com esta posição, sustentada em trabalhos jurídicos dos penalistas Anabela Rodrigues e Vaz Pato, o TRL deu razão ao recurso de Carlos Cruz, que contestou a decisão do Tribunal de Execução de Penas (TEP) de recusar a liberdade condicional, com fundamento em que o recluso não admitia a culpa, nem mostrava arrependimento.

Na decisão hoje tomada, os desembargadores do TRL Adelina Barradas (relatora) e Jorge Raposo levaram ainda em consideração o facto de o recorrente, Carlos Cruz, "não ter outras condenações".

"É também o facto de ser uma figura mediática que o obrigará a cumprir o que lhe é exigido e exigível, e que nos leva a entender que existe uma prognose favorável a que conduza a sua vida de modo socialmente responsável, se cometer crimes", menciona o acórdão do TRL.

Decidiram, assim, os juízes da Relação, em conceder a liberdade condicional a Carlos Cruz, embora sujeito a algumas condições, designadamente, que "deverá residir em morada certa a fixar pelo tribunal, e deverá aceitar a tutela da equipa de Reinserção Social" da Direção-Geral dos Serviços Prisionais.

Deverá ainda "dedicar-se à procura ativa de trabalho (já que diz pretender fazê-lo) e, uma vez este obtido, dedicar-se ao mesmo com regularidade, e deverá passar a sua conduta pela observância dos padrões normativos vigentes e aplicáveis a qualquer cidadão no respeito pelos restantes".

No recurso para a Relação, a defesa havia considerado inaceitável a recusa de Carlos Cruz, de 74 anos, de "saúde débil" e com "um grande apoio familiar e social" e "enorme exposição mediática", não poder sair em liberdade condicional, manifestando ainda o "empenho" do antigo apresentador em "projetos profissionais e culturais, a capacidade para compreender os valores da comunidade e ausência de notícia de qualquer crime, para além daqueles por que cumpre pena (alegadamente cometidos há mais de 16 anos) e até a luta que promete continuar, no sentido de provar a sua inocência".

No recurso, a defesa insurgiu-se também contra a justificação do TEP, de que é necessária a assunção da culpa e a aceitação por Carlos Cruz de um programa de reabilitação, considerando que isso é "inconstitucional".

"Está em causa a dignidade da pessoa humana e o direito à sua integridade moral, porque ninguém pode ser violentado na sua consciência e levado a assumir aquilo que não é a sua convicção. Deverá ainda ter-se em conta que o direito ao silêncio do agente do crime é um elemento estruturante do direito constitucional/processual penal português", alegou Carlos Cruz, no recurso que agora teve provimento.

A decisão da Relação favorável a Carlos Cruz salienta que a pena do ex-apresentador terminará em dezembro de 2017, e que este já cumpriu dois terços da pena, reunindo os pressupostos formais de concessão da liberdade condicional.

Carlos Cruz cumpria seis anos de prisão por dois crimes de abuso sexual de menor, cometidos entre dezembro de 1999 e janeiro de 2000, no âmbito do processo Casa Pia.

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.