sicnot

Perfil

País

António Costa na abertura do debate do estado da nação

O primeiro-ministro, o socialista António Costa, abre hoje o debate do "Estado da Nação", o primeiro da era da nova maioria parlamentar de esquerda, a "geringonça", com duração prevista de quase quatro horas.

Francois Walschaerts

Segundo o regimento, trata-se de "um debate de política geral, iniciado com uma intervenção do primeiro-ministro sobre o Estado da Nação, sujeito a perguntas dos grupos parlamentares, seguindo-se o debate generalizado que é encerrado pelo Governo".

Para as 15:00 está marcado o início do plenário e a grelha de tempos prevê que o debate demorará 226 minutos, ou seja, quase quatro horas.

Depois da intervenção inicial de António Costa, que poderá durar até 40 minutos, os partidos terão direito a pedidos de esclarecimento e intervenções, pela seguinte ordem: PSD, PS, BE, CDS-PP, PCP, PEV e PAN.

De acordo com o 'site' do parlamento, o primeiro pedido de esclarecimento de cada partido poderá ter a duração de cinco minutos e os restantes de dois e o primeiro-ministro "responderá individualmente, sem direito de réplica, a cada um dos primeiros pedidos de esclarecimento, e em conjunto, se assim o entender, aos restantes pedidos dos grupos parlamentares".

O encerramento do debate caberá ao Governo, tendo para tal um período de dez minutos.

No debate do "Estado da Nação" do ano passado, Pedro Passos Coelho era primeiro-ministro e António Costa liderava então a oposição, estando naquela época os partidos de esquerda em minoria, e o país em clima de pré-campanha, uma vez que estavam marcadas eleições legislativas para 04 de outubro de 2015.

Quatro anos depois de ter chegado ao Governo e de ter conseguido uma 'saída limpa' do programa de ajuda externa a que Portugal esteve sujeito entre 2011 e 2014, no ano passado Passos Coelho subiu à tribuna da Assembleia da República para, em jeito de balanço da legislatura, defender que tinha ficado demonstrado que o Governo seguiu a estratégia mais acertada para proteger os portugueses.

Sem António Costa na bancada, uma vez que o secretário-geral do PS não era deputado, coube ao então líder parlamentar socialista, Eduardo Ferro Rodrigues, interpelar o primeiro-ministro no debate do "Estado da Nação", dando o mote para uma discussão recheada de imagens bíblicas.

Pelo BE, a porta-voz Catarina Martins começou então por acusar o Governo de promover uma "venda de garagem" do país através das privatizações, deixando para a deputada Mariana Mortágua o tema da venda do Novo Banco, e já o secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, acusou o Governo de ter atuado como "inseticida" contra as "pragas" que se abateram no país.

Este primeiro ano parlamentar da maioria de esquerda ficou marcado pela reversão de medidas do anterior Governo, nos salários, saúde e educação e pela aprovação da adoção por casais 'gay', tendo os acordos de incidência parlamentar entre o PS, o BE, o PCP e o PEV dado uma renovada centralidade à Assembleia da República.

Num balanço à Lusa do primeiro ano da "geringonça", PSD e CDS-PP disseram que veem sinais de degradação económica, enquanto o PS observou "estabilidade e confiança" e os partidos à esquerda destacaram a recuperação de rendimentos.

Lusa

  • "Não se reconstroem serviços públicos em dois anos"
    0:53

    País

    O Ministro da Saúde diz que os problemas do Serviço Nacional de Saúde não se resolvem em dois anos nem se consegue reverter a trajetória de desinvestimento e delapidação dos serviços públicos até 2019, ou até ao final da legislatura. Em entrevista ao jornal Público e à rádio Renascença, Adalberto Campos Fernandes admitiu ainda que é contra a eutanásia, mas garante que o SNS estará pronto a aplicar a lei, se assim for decidido pelo Parlamento.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte I)
    35:45

    Operação Marquês

    A acusação da Operação Marquês diz que, em 5 anos, foram pagos quase 36 milhões de euros de luvas a José Sócrates. A maior fatia veio do Grupo Espírito Santo. O Ministério Público fala em pagamentos por decisões políticas sobre negócios da PT, alegadamente em benefício de Ricardo Salgado. Além de Sócrates, também Zeinal Bava e Henrique Granadeiro terão recebido dezenas de milhões de euros do ex-banqueiro. Nesta primeira parte da reportagem "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês", começamos a seguir do rasto desse dinheiro, conduzidos pelas pistas deixadas à investigação, nos registos secretos de um director do Grupo Espírito Santo.

  • "Oui, Monsieur - O Saco Azul do Marquês" (Parte II)
    24:59

    Operação Marquês

    O Ministério Público estima que, em apenas 8 anos, a ES Enterprises movimentou mais de três mil milhões de euros. E sempre à margem de qualquer controlo. Na tese da Operação Marquês, foi desta empresa fantasma que saiu a maior parte das luvas alegadamente pagas por Ricardo Salgado a José Sócrates, Zeinal Bava, Henrique Granadeiro e Hélder Bataglia, por causa dos negócio da PT. Na primeira parte da grande reportagem "Oui, Monsieur - o saco azul do marquês" vimos como o chumbo da OPA da SONAE à PT terá sido o primeiro desses negócios.Agora, olhamos para outros pagamentos milionários e procuramos perceber o que está atrás desse alegado saco azul. A investigação concluiu que era financiado através de operações financeiras complexas, por vezes com dinheiro dos clientes do BES.