sicnot

Perfil

País

Costa defende que Portugal tem mais paz social e cooperação institucional efetiva

O primeiro-ministro defendeu hoje que o seu Governo assenta numa maioria parlamentar "estável" e "coerente" e que o país vive agora em maior paz social, com menos greves e uma cooperação institucional em defesa do interesse nacional.

M\303\201RIO CRUZ

Estas posições foram assumidas por António Costa na intervenção que abriu o debate sobre o "Estado da Nação" na Assembleia da República, durante a qual procurou fazer um balanço sobre sete meses de ação do seu Governo, tirando a conclusão de que os principais objetivos foram "cumpridos".

"Temos uma maioria parlamentar consistente na diversidade da sua identidade, coerente na execução das posições conjuntas que a fundaram e estável para o horizonte da legislatura. Cumprimos com o compromisso de que ultrapassaríamos o permanente sobressalto em que o nosso país vivia, construindo um clima de paz social e de normalidade institucional", sustentou o primeiro-ministro.

Perante os deputados, António Costa advogou que Portugal "é hoje um país em que os órgãos de soberania cooperam na defesa do interesse nacional. Um país onde é possível construir compromissos entre o Governo, o Presidente da República e a Assembleia da República".

Neste ponto, o primeiro-ministro afirmou que, além de um quadro de respeito pelas autonomias regionais e de um caminho para o aprofundamento das autonomias do Poder Local democrático, "Portugal vive hoje um clima de maior confiança e serenidade, onde a concertação social está mais ativa e se abriu a porta ao diálogo social".

"Um país onde entre janeiro e maio os pré-avisos de greve baixaram de 454, em 2015, para 194, em 2016", acrescentou António Costa.

No seu discurso, na parte dedicada ao balanço da ação do Governo, o primeiro-ministro disse que o seu executivo cumpriu "na recuperação do rendimento das famílias".

"Eliminámos a sobretaxa do IRS, baixámos a taxa máxima do IMI e reintroduzimos a sua cláusula de salvaguarda, pusemos fim à penhora das casas de morada de família, repusemos os mínimos sociais (o Complemento Solidário para Idosos, o Rendimento Social de Inserção e o Abono de Família), reduzimos as taxas moderadoras na saúde e alargámos a tarifa social da energia", declarou, antes de se referir a medidas como os manuais escolares gratuitos para o primeiro ciclo do Ensino Básico, a reposição do IVA da restauração em 13% ou a reposição dos feriados nacionais suspensos em 2013.

Depois, António Costa deixou várias críticas ao anterior Governo, acusando-o de ter procurado encobrir problemas, designadamente no sistema financeiro, contrapondo como uma garantia de ação.

"Não ignoramos as dificuldades, não precisámos de chegar ao Governo para conhecer os enormes desafios que o país tem pela frente. O que nos surpreende é que tenha sido necessário os partidos da anterior maioria passarem à oposição para constatarem o estado em que deixaram o país", disse, numa primeira farpa dirigida às bancadas do PSD e do CDS-PP.

O primeiro-ministro referiu que o seu Governo enfrenta um "elevado nível de pobreza, um elevado nível de desemprego e uma dependência das empresas face ao endividamento".

"Os problemas não se escondem, os problemas enfrentam-se para poderem ser revolvidos. Como se viu na ocultação dos problemas do sistema financeiro para a encenação da saída limpa, os problemas, como a verdade, vêm sempre ao de cima", declarou António Costa, recebendo palmas da bancada do PS.

António Costa referiu-se então especificamente ao sistema financeiro nacional, defendendo que o setor da bancada não tem hoje novos problemas.

"O que há de novo é a verdade com que os problemas que existiam são assumidos e enfrentados. Nós reconhecemos que os problemas existem, e estamos cá para os resolver", acrescentou.

Lusa

  • Paulo Fonseca e Paulo Sousa fora da Liga Europa

    Liga Europa

    A segunda mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa ficou marcada pelas eliminações de duas equipas treinadas por portugueses: a Fiorentina de Paulo Sousa e o Shakhtar Donetsk de Paulo Fonseca. Paulo Bento, no Olympiacos, e José Mourinho, no Manchester United, são os únicos técnicos lusos ainda em competição. Noutros jogos, destaque para os afastamentos do Tottenham e do Zenit. Veja aqui os resumos de todos os encontros desta noite europeia. O sorteio dos oitavos-de-final está agendado para esta sexta-feira, às 12h00, hora de Lisboa.

  • "Não preciso de ajustar contas com ninguém"
    0:49

    País

    O ex-Presidente da República insiste que José Sócrates foi desleal durante as negociações do Orçamento do Estado para 2011. Numa entrevista dada à RTP1, Cavaco Silva esclareceu ainda que não escreveu o livro de memórias para ajustar contas com o ex-primeiro-ministro.

  • Sócrates em processo judicial surpreende Cavaco
    0:18

    País

    Cavaco Silva afirmou ter ficado surpreendido com o envolvimento de José Sócrates num processo judicial. Em entrevista à RTP1 o ex-Presidente da República diz que nunca se apercebeu de qualquer "atuação legalmente menos correta" da parte de Sócrates.

  • PSD questiona funcionamento da Assembleia da República
    2:39

    Caso CGD

    O PSD e o CDS vão entregar esta sexta-feira no Parlamento o pedido para criar uma nova Comissão de Inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos. Os dois partidos reuniram-se esta quarta-feira para fechar o texto do requerimento. Durante o dia, o PSD considerou que o normal funcionamento da Assembleia da República está em causa, o que levou Ferro Rodrigues a defender-se e a garantir que está a ser imparcial.

  • Marcelo rejeita discussões menores na banca
    0:32

    Economia

    O Presidente da República avisa que não se devem introduzir querelas táticas e menores no sistema financeiro. Num encontro que reuniu publicamente Marcelo e Centeno, o Presidente diz que é preciso defender o interesse nacional.

  • Três dos planetas encontrados podem conter água e vida
    3:28
  • Túnel descoberto em cadeia brasileira tinha ligação a uma habitação
    0:44

    Mundo

    A polícia brasileira descobriu um túnel que ligava a cadeia de Porto Alegre a uma casa e serviria para libertar prisioneiros do estabelecimento. As autoridades detiveram sete homens e uma mulher no local. A construção permitiria uma fuga massiva que poderia chegar aos 200 mil fugitivos e estima-se que terá custado mais de 300 mil euros. A polícia do Rio Grande do Sul acredita, assim, ter impedido aquela que seria a maior fuga de prisioneiros de sempre no Estado brasileiro.

  • Secretário da Segurança Interna dos EUA desmente Donald Trump

    Mundo

    O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta quinta-feira que os esforços do seu Governo para expulsar alguns imigrantes ilegais dos Estados Unidos "são uma operação militar", afirmação contrariada pelo seu secretário da Segurança Nacional no México.