sicnot

Perfil

País

Mariscador estrangeiro morre no rio Tejo

Um mariscador, com cerca de 50 anos, morreu hoje no rio Tejo, na zona de Samouco, em Alcochete, informaram os bombeiros voluntários de Alcochete.

(Lusa/Arquivo)

(Lusa/Arquivo)

Manuel Almeida

"Durante a tarde, os Bombeiros Voluntários de Alcochete foram acionados através do CODU (Centro de Orientação de Doentes Urgente), para um afogamento na praia do Samouco, concelho de Alcochete. Na chegada dos meios ao local, verificou-se que a vítima estava afastada cerca quatro quilómetros da praia, na zona de lodo junto ao tabuleiro da Ponte Vasco da Gama, tendo as equipas de socorro se deslocado apeadas até à vítima, iniciando-se o suporte básico de vida", referem os bombeiros em comunicado.

A vítima, segundo explicam as autoridades, é um mariscador de nacionalidade estrangeira com cerca de 50 anos.

Os bombeiros tiveram o apoio de outras entidades de socorro, uma vez que os acessos ao local eram difíceis, incluindo um helicóptero Merlin EH 101, da Força Aérea.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal confirmou à Lusa a ocorrência, referindo que estiveram no local os bombeiros de Alcochete, GNR, VMER do Hospital do Barreiro, Policia Marítima e um meio aéreo da base aérea do Montijo, num total de 23 operacionais.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".