sicnot

Perfil

País

Mês de junho foi "muito seco e quente"

O mês de junho foi "muito seco e quente", sendo o valor médio da temperatura máxima muito superior ao valor normal e o 12.º mais alto desde 1931, refere o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA)​.

© Rafael Marchante / Reuters

Segundo o Boletim Climatológico publicado hoje no site do IPMA, o valor médio da quantidade de precipitação em junho foi de 12,2 milímetros, valor muito inferior ao normal, o que permite classificar o mês de junho como muito seco.

De acordo com o documento, os valores da quantidade de precipitação inferiores aos registados neste mês de junho ocorreram em cerca de 20% dos anos (desde 1931).

Este valor relativo à precipitação, escreve o instituto, corresponde ao 6.º mais baixo desde 2000 (mais baixo em 2004, de 4,2 milímetros).

"O valor médio da temperatura máxima do ar (27º) foi muito superior ao valor normal, sendo o 12.º mais alto desde 1931 (valor mais alto em 2004 com 30,14 graus)", é indicado.

O instituto destaca também que o valor médio da temperatura mínima do ar (13º) foi superior ao valor normal.

De acordo com o boletim, o menor valor da temperatura mínima foi registado nas Penhas Douradas a 16 de junho (3,8º) e da máxima em Elvas, no dia 29 de junho, com 40,1º.

O instituto informou também que Faro registou o maior número de noites tropicais (11), cerca de cinco vezes mais que o normal.

"Em Elvas, observou-se o maior número de dias com temperatura máxima maior ou igual que 30 graus Celsius", é sublinhado.

"De salientar que nos últimos 25 anos, a temperatura média do ar tem sido quase sempre superior ao valor normal, apenas em quatro anos foi inferior (1992, 1997, 2007 e 2013) e a precipitação mensal tem sido quase sempre inferior ao normal exceto em seis anos (1992, 1997, 2006, 2007, 2009 e 2010)", pode ler-se no documento.

De acordo com o índice meteorológico de seca do IPMA, no final de junho não existe situação de seca em todo o território exceto numa pequena área do sota-vento algarvio.

Com Lusa

  • Fim de semana quente e sem precipitação

    País

    O fim de semana vai ser quente, sem previsão de ocorrência de aguaceiros e com temperaturas acima dos 30 graus Celsius, podendo atingir os 38 em Évora e Beja, disse à agência Lusa a meteorologista Madalena Rodrigues.

  • Vídeo 360º: nos céus de Lisboa como nunca esteve

    País

    Três Alpha Jet da Força Aérea Portuguesa estiveram presentes sobre o Jamor, durante a final da Taça entre o Benfica e o Vitória de Guimarães. A SIC e o Expresso acompanharam a passagem das aeronaves através da colocação de câmaras 360º no cockpit de duas delas.

  • "Não podemos fazer de Lisboa uma cidade para turistas"
    2:44

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no Jornal da Noite da SIC, o mandato de Fernando Medina na Câmara de Lisboa. O comentador da SIC defendeu que o autarca tem "muitos problemas por resolver" e que a Câmara tem investido "mais na recuperação de zonas em que os lisboetas praticamente não conseguem ir". Sousa Tavares disse ainda que Lisboa não pode ser uma cidade para turistas.

    Miguel Sousa Tavares

  • "Putin é uma ameaça maior do que o Daesh"
    0:24

    Mundo

    O senador norte-americano John McCain atacou Vladimir Putin dizendo que é uma ameaça maior do que o Daesh. O antigo candidato à Casa Branca acusa a Rússia de querer destruir a democracia ao tentar manipular o resultado das presidenciais dos Estados Unidos.

  • Gelado de champanhe no centro de mais uma polémica que envolve Ivanka Trump 

    Mundo

    A filha do Presidente Donald Trump está envolvida em mais uma polémica depois de uma publicação da sua marca no Twitter durante o Memorial Day, assinalado esta segunda-feira. Feriado nacional nos Estados Unidos, criado após a Guerra Civil, a data presta homenagem aos militares americanos que morreram em combate. Um dia solene, no qual muitos acolheram mal a dica da marca da atual conselheira da Casa Branca: "Façam gelados de champanhe".

  • Morreu Yoshe Oka, a "hibakusha" que avisou o Japão sobre o ataque a Hiroshima

    Mundo

    Yoshe Oka, a primeira sobrevivente de Hiroshima que informou por telefone as autoridades japonesas sobre a destruição da cidade, em 1945, morreu com 86 anos, vítima de cancro, revelou hoje a família. A "hibakusha", nome pelo qual são conhecidos os sobreviventes dos ataques a Hiroshima e Nagasaki, sofria de doenças relacionadas com os efeitos do bombardeamento. Apesar das consequências do ataque, Oka difundiu, ao longo da vida, a experiência sobre o bombardeamento tendo participado em inúmeros atos pacifistas.