sicnot

Perfil

País

Crianças, idosos e doentes devem proteger-se das altas temperaturas nos próximos dias

A Direção Geral da Saúde (DGS) apela à população para se proteger das altas temperaturas esperadas para os próximos dias, evitando a praia nas horas de maior calor, e recomenda um especial cuidado com as crianças, idosos e doentes crónicos.

Ao longo do dia de hoje, a DGS tem emitido vários avisos à população com vista à proteção dos cidadãos mais vulneráveis - idosos, crianças e doentes com problemas crónicos) -- no sentido destes se protegerem, face ao previsto aumento das temperaturas.

Andreia Silva, diretora do serviço de prevenção da doença e promoção da saúde da DGS, disse à agência Lusa que a população pode prosseguir as suas atividades, mas adequando os seus comportamentos aos locais e horas de exposição ao calor.

Em relação à praia, por exemplo, o que a DGS recomenda é que as pessoas se protejam do sol e do calor no período mais crítico: entre as 11:00 e as 17:00.

O objetivo destas medidas preventivas é evitar os efeitos negativos do calor, que são mais intensos nas crianças, nos idosos e nos doentes.

Segundo Andreia Silva, não é necessário o cancelamento dos eventos característicos desta época do ano, como festivais, concertos, etc, mas as pessoas devem resguardar-se do sol e do calor, estarem hidratadas e manterem o corpo fresco.

Um dos eventos previsto para este fim-de-semana é a Tall Ships Race, uma regata que levará dezenas de barcos à zona entre Santa Apolónia e o Terreiro do Paço, em Lisboa, e que deverá reunir à sua volta milhares de pessoas.

A DGS já tomou medidas no sentido de serem minimizados os efeitos das altas temperaturas nos visitantes deste evento.

O tempo quente e seco estará de regresso no fim de semana, com previsão de temperaturas máximas de 39/40 graus e mínimas a rondar os 20, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Segundo o IPMA, as temperaturas mínimas vão subir no sábado e no domingo, ficando próximas dos 20 graus, podendo em algumas regiões ser superiores.

Lusa

  • Vala comum com 6 mil corpos em Mossul
    1:43
  • A menina que os pais queriam chamar "Allah"

    Mundo

    ZalyKha Graceful Lorraina Allah tem 22 meses, anda não sabe ler nem escrever mas já está no centro de um processo judicial contra o Estado da Georgia, nos EUA. Os pais, Elizabeth Handy e Bilal Walk, apoiados por uma ONG, exigem na justiça que o nome seja reconhecido na certidão de nascimento para que a criança possa ser inscrita na escola, na segurança social ou nos registos e notoriado. O casal já tem um filho de 3 anos que se chama Masterful Mosirah Aly Allah.