sicnot

Perfil

País

Proteção Civil alerta para perigo de incêndio devido ao tempo quente e seco

O incêndio lavra desde as 14:30 numa zona de pinhal na freguesia de Cabração, onde se situa um dos locais destinados ao público desta classificativa do Rali de Portugal, e às 22:30 havia ainda três frentes ativas e 160 bombeiros a combater as chamas. (Arquivo)

© Jose Manuel Ribeiro / Reuters

A Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) alertou hoje para o perigo de incêndio florestal devido às previsões de tempo quente e seco, com temperaturas que podem chegar aos 40 graus nas regiões do interior centro e sul.

O aviso à população de "calor e perigo de incêndio florestal" surge após o contacto da ANPC com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), que prevê, para os próximos dias, uma subida acentuada da temperatura máxima, em especial nas regiões do litoral, que podem ser superiores aos 35 graus.

A Proteção Civil adianta que as regiões do interior centro e sul vão ter temperaturas a rondar os 40 graus, além da humidade do ar ser inferior a 20 por cento, mantendo-se os valores baixos durante o período noturno.

A ANPC sublinha que é expectável "tempo quente e seco e vento moderado com permanência de condições favoráveis à eventual ocorrência e propagação de incêndios florestais".

A Proteção Civil sublinha que não é permitido realizar queimadas, nem fogueiras, utilizar equipamentos de queima e de combustão, lançar balões com mecha acesa ou qualquer outro tipo de foguetes e fumar ou fazer lume nos espaços florestais.

No comunicado, a ANPC recomenda ainda "a adequação dos comportamentos e atitudes face à situação de perigo de incêndio florestal", nomeadamente com a adoção das necessárias medidas de prevenção e precaução, como as proibições em vigor.

Também a Direção-Geral da Saúde alertou hoje a população para as elevadas temperaturas que se prevêem para os próximos dias, aconselhando as pessoas a manterem o corpo fresco e hidratado e a procurarem zonas de sombra ou climatizadas.

"Estamos preocupados com a população em geral, mas sobretudo com os grupos mais vulneráveis, que podem ter mais suscetibilidade aos efeitos do calor, designadamente as crianças, as pessoas com mais de 65 anos, os doentes crónicos e quem desenvolve atividade no exterior, sejam estas profissionais ou de lazer", disse à Lusa Andreia Silva, diretora do serviço de prevenção da doença e promoção da saúde da DGS.

A especialista explicou ainda que este alerta serve sobretudo para a população de risco, mas também para a população em geral, tendo em conta a subida brusca das temperaturas, a manutenção durante alguns dias do tempo muito quente e ao facto de as temperaturas mínimas se manterem igualmente elevadas, levando às chamadas "noites tropicais", o que não permite o arrefecimento natural das casas.

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • Homem e cão resgatados das águas na Andaluzia
    0:32