sicnot

Perfil

País

Mais 217kg de cocaína encontrados em veleiro apreendido na Madeira

Lusa

A Polícia Judiciária (PJ) informou hoje ter apreendido mais 217 quilos de cocaína dissimulados a bordo de um veleiro aportado na ilha da Madeira, no qual já havia efetuado uma apreensão de 122 quilos no dia 18 de julho.

"Esta apreensão vem na sequência de uma outra, de 122 quilos do mesmo produto, efetuada no passado mês de julho e que levou à detenção de duas pessoas", pode ler-se no comunicado emitido pela PJ.

A apreensão decorreu no âmbito de uma operação do Departamento de Investigação Criminal do Funchal, que contou com a colaboração da Polícia Marítima.

No dia 18 de julho, a PJ anunciou ter apreendido um veleiro com 122 quilos de droga e ter detido os dois tripulantes, um espanhol e um uruguaio, com 42 anos.

A operação aconteceu na marina da Calheta, na zona oeste da ilha da Madeira, envolvendo uma embarcação chamada "Calma".

A droga encontrada nessa altura estava acondicionada em 105 pacotes prensados, com um valor calculado de 3,5 milhões de euros e que tinham a inscrição "Messi".

A mesma inscrição estava nas 181 embalagens da droga agora encontrada na popa do navio.

Com esta nova operação, a droga encontrada totaliza 339 quilos, o que representa "uma das maiores na Madeira", disse à Lusa fonte da PJ.

A mesma fonte mencionou que em 2015, numa investigação desenvolvida pelo departamento de Lisboa, aconteceu uma outra apreensão de grande dimensão, num navio no Caniçal, no concelho de Machico, que transportava "mais de uma tonelada de cocaína".

Os dois detidos estão em prisão preventiva no Estabelecimento Prisional do Funchal.

Lusa

  • "É pesado dizer a miúdos que ainda ontem os pais estavam a ensinar o atar ténis que vão ficar em prisão preventiva"
    2:49
  • Pecado da gula ameaça maior anfíbio do mundo

    Mundo

    O maior anfíbio do mundo está em sério risco de extinção. Iguaria muito apreciada no Oriente, a salamandra-gigante-da-China já praticamente desapareceu do seu habitat natural, concluiu uma pesquisa realizada durante quatro anos. Em contraste, milhões destes animais são reproduzidos em cativeiro e têm como destino restaurantes de luxo.

  • Reclusos limpam Ria Formosa
    3:01

    País

    Alguns reclusos do estabelecimento prisional de Olhão estão pela segunda vez a limpar a ilha da Armona, na Ria Formosa. São homens que beneficiam de regime aberto e, em fim de cumprimento de pena, têm com este trabalho uma amostra da liberdade que tanto aguardam.