sicnot

Perfil

País

Municípios vão gerir escolas, unidades de saúde local e jogos de fortuna e azar

A proposta governamental de descentralização de competências para os municípios prevê que assumam a gestão e construção de equipamentos educativos e de saúde de cuidados primários, além da gestão de "jogos de fortuna e azar de âmbito local".

A "construção, requalificação e manutenção dos edifícios dos estabelecimentos de ensino dos 2.º e 3.º ciclos e secundário" estão entre as atribuições previstas no "documento orientador" da descentralização apresentado pelo Governo à Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP).

O documento, a que a Lusa teve acesso, assume que "a descentralização de competências para os municípios é uma das pedras angulares da reforma do Estado", incluindo dos "serviços de ação social escolar ao nível dos 2.º e 3.º ciclos e secundário" e "gestão do seu pessoal não docente".

A gestão de equipamentos, a contratação de serviços (água, eletricidade, segurança, limpeza), o transporte escolar no ensino secundário e a "atribuição de competência ao Conselho Municipal de Educação para definição da política educativa" são outras competências a transferir.

Os municípios também devem assumir a "construção de novas unidades locais de cuidados de saúde primários" e a "gestão dos trabalhadores da categoria assistentes operacionais das unidades funcionais dos Agrupamentos de Centros de Saúde que integram o Serviço Nacional de Saúde".

O documento prevê ainda que as câmaras passem a deter a "regulação e fiscalização do estacionamento" e que seja regulamentado o regime especial das polícias municipais de Lisboa e Porto, com transferência de recursos das divisões de trânsito da PSP para os dois municípios.

Preconiza-se que os municípios assumam o processamento das contraordenações rodoviárias de estacionamento "nas cidades e vilas".

A "autorização da exploração de jogos de fortuna e azar de âmbito local" e o licenciamento e vistorias no âmbito da segurança contra incêndios em edifícios também constam na proposta do Governo.

As autarquias devem elaborar cartas sociais municipais, coordenar a execução do Programa de Contratos Locais de Desenvolvimento Social e gerir "programas nas áreas de conforto habitacional para pessoas idosas e de integração a idosos, em articulação com as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional".

A instituição e gestão dos Gabinetes de Apoio aos Emigrantes, em articulação com a rede de Lojas do Cidadão, a criação de Centros Locais de Apoio e Integração de Migrantes, a gestão de imóveis sem uso militar e a concessão de zonas balneares em praias marítimas também devem passar para o âmbito municipal.

A proposta admite a "concessão de benefícios fiscais relativamente aos impostos e outros tributos próprios", competências próprias na "avaliação e reavaliação de prédios" e a "gestão e manutenção de património imobiliário público não utilizado (devoluto) por qualquer entidade pública".

As câmaras passam ainda a gerir as "estradas nacionais nos perímetros urbanos" e os "programas de apoio ao arrendamento urbano e à reabilitação urbana, em articulação com outras entidades com atribuições em matéria de Fundos Europeus".

A gestão de áreas sob jurisdição dos portos sem utilização portuária reconhecida e "áreas urbanas de desenvolvimento turístico e económico não afetas à atividade portuária e infraestruturas afetas às praias e ao mar", bem como de "portos de pesca secundários" e das áreas da Docapesca também será transferida.

"A transferência de competências deve ser realizada no ano de 2018, admitindo-se soluções gradualistas ao longo do próximo mandato autárquico, a desenvolver no quadro da negociação entre os ministérios e a ANMP", lê-se na proposta do ministro Adjunto, Eduardo Cabrita.

O novo modelo de financiamento dos municípios deverá assentar numa "subvenção geral cujo valor resulta da média aritmética simples da receita proveniente IRS, IRC e IVA" (impostos sobre o rendimento singular, o rendimento coletivo e o valor acrescentado, respetivamente) e na "participação direta" no IRS dos habitantes, no IVA gerado em cada concelho e na derrama de IRC.

O documento, que prevê a criação das autarquias metropolitanas de Lisboa e do Porto e o reforço de competências das Comunidades Intermunicipais (CIM) e das freguesias, foi enviado pela ANMP às autarquias para recolha de contributos.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.