sicnot

Perfil

País

Municípios vão gerir escolas, unidades de saúde local e jogos de fortuna e azar

A proposta governamental de descentralização de competências para os municípios prevê que assumam a gestão e construção de equipamentos educativos e de saúde de cuidados primários, além da gestão de "jogos de fortuna e azar de âmbito local".

A "construção, requalificação e manutenção dos edifícios dos estabelecimentos de ensino dos 2.º e 3.º ciclos e secundário" estão entre as atribuições previstas no "documento orientador" da descentralização apresentado pelo Governo à Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP).

O documento, a que a Lusa teve acesso, assume que "a descentralização de competências para os municípios é uma das pedras angulares da reforma do Estado", incluindo dos "serviços de ação social escolar ao nível dos 2.º e 3.º ciclos e secundário" e "gestão do seu pessoal não docente".

A gestão de equipamentos, a contratação de serviços (água, eletricidade, segurança, limpeza), o transporte escolar no ensino secundário e a "atribuição de competência ao Conselho Municipal de Educação para definição da política educativa" são outras competências a transferir.

Os municípios também devem assumir a "construção de novas unidades locais de cuidados de saúde primários" e a "gestão dos trabalhadores da categoria assistentes operacionais das unidades funcionais dos Agrupamentos de Centros de Saúde que integram o Serviço Nacional de Saúde".

O documento prevê ainda que as câmaras passem a deter a "regulação e fiscalização do estacionamento" e que seja regulamentado o regime especial das polícias municipais de Lisboa e Porto, com transferência de recursos das divisões de trânsito da PSP para os dois municípios.

Preconiza-se que os municípios assumam o processamento das contraordenações rodoviárias de estacionamento "nas cidades e vilas".

A "autorização da exploração de jogos de fortuna e azar de âmbito local" e o licenciamento e vistorias no âmbito da segurança contra incêndios em edifícios também constam na proposta do Governo.

As autarquias devem elaborar cartas sociais municipais, coordenar a execução do Programa de Contratos Locais de Desenvolvimento Social e gerir "programas nas áreas de conforto habitacional para pessoas idosas e de integração a idosos, em articulação com as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional".

A instituição e gestão dos Gabinetes de Apoio aos Emigrantes, em articulação com a rede de Lojas do Cidadão, a criação de Centros Locais de Apoio e Integração de Migrantes, a gestão de imóveis sem uso militar e a concessão de zonas balneares em praias marítimas também devem passar para o âmbito municipal.

A proposta admite a "concessão de benefícios fiscais relativamente aos impostos e outros tributos próprios", competências próprias na "avaliação e reavaliação de prédios" e a "gestão e manutenção de património imobiliário público não utilizado (devoluto) por qualquer entidade pública".

As câmaras passam ainda a gerir as "estradas nacionais nos perímetros urbanos" e os "programas de apoio ao arrendamento urbano e à reabilitação urbana, em articulação com outras entidades com atribuições em matéria de Fundos Europeus".

A gestão de áreas sob jurisdição dos portos sem utilização portuária reconhecida e "áreas urbanas de desenvolvimento turístico e económico não afetas à atividade portuária e infraestruturas afetas às praias e ao mar", bem como de "portos de pesca secundários" e das áreas da Docapesca também será transferida.

"A transferência de competências deve ser realizada no ano de 2018, admitindo-se soluções gradualistas ao longo do próximo mandato autárquico, a desenvolver no quadro da negociação entre os ministérios e a ANMP", lê-se na proposta do ministro Adjunto, Eduardo Cabrita.

O novo modelo de financiamento dos municípios deverá assentar numa "subvenção geral cujo valor resulta da média aritmética simples da receita proveniente IRS, IRC e IVA" (impostos sobre o rendimento singular, o rendimento coletivo e o valor acrescentado, respetivamente) e na "participação direta" no IRS dos habitantes, no IVA gerado em cada concelho e na derrama de IRC.

O documento, que prevê a criação das autarquias metropolitanas de Lisboa e do Porto e o reforço de competências das Comunidades Intermunicipais (CIM) e das freguesias, foi enviado pela ANMP às autarquias para recolha de contributos.

Lusa

  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combnate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.