sicnot

Perfil

País

Proteção civil alerta para o calor nos próximos dias

© Nacho Doce / Reuters

Depois da Direção-Geral de Saúde, também a Autoridade Nacional de Proteção Civil emitiu um aviso à população devido à previsão de altas temperaturas. Apela a "comportamentos de precaução" para evitar incêndios e efeitos do calor na saúde.

O aviso da ANPC surge na sequência da informação do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), que prevê, a partir hoje e, pelo menos, até à próxima terça-feira, "uma subida considerável de temperaturas, em especial da máxima, atingindo valores entre os 32º C e os 42ºC, na generalidade do território".

Face a esta previsão, o índice de risco de incêndio mantém-se em níveis elevado e muito elevado, em especial nas regiões do interior norte e centro, Vale do Tejo e Algarve.

Prevê-se também "um agravamento generalizado e um alargamento para o litoral, durante o fim de semana, reunindo condições favoráveis à eventual ocorrência e propagação de incêndios florestais", refere a Proteção Civil em comunicado.

A ANPC recorda ainda que o calor pode ter efeitos sobre a saúde, sobretudo nas populações mais vulneráveis (crianças, idosos e doentes crónicos)

Para minimizar as consequências desta situação, a Proteção Civil (ANPC) recomenda "a todos os cidadãos a adoção de comportamentos de precaução que evitem os incêndios florestais e os efeitos do calor na saúde".

No comunicado, a ANPC lembra que, nesta altura do ano, não é permitido realizar queimadas, fogueiras para recreio ou lazer nos espaços rurais, nem utilizar equipamentos de queima e de combustão destinados à iluminação ou à confeção de alimentos.

Outros comportamentos proibidos são "queimar matos cortados e amontoados e qualquer tipo de sobrantes", lançar foguetes, fumar ou fazer lume nos espaços florestais e vias que os circundem.

Na realização de trabalhos agrícolas e florestais, a Proteção civil aconselha os agricultores a manterem as máquinas e os equipamentos limpos de óleos e poeiras e a abastecer as máquinas a frio num local com pouca vegetação.

Apela ainda aos portugueses para que tenham "cuidado com as faíscas durante o seu manuseamento", evitando a sua utilização nos períodos de maior calor.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.