sicnot

Perfil

País

Rapaz de 14 anos morre em demolições polémicas nos arredores de Luanda

A organização não-governamental angolana SOS Habitat denunciou esta segunda-feira a morte a tiro de uma criança, supostamente por um militar, na sequência de um processo de demolições de milhares de casas na zona do Zango III, arredores de Luanda.

O coordenador de direção da SOS Habitat, Rafael Morais, disse que aquela organização de defesa dos direitos da habitação está a acompanhar de perto a situação, que considerou "altamente lamentável".

O ativista referiu que as demolições, assunto que está a ser fortemente questionado na sociedade angolana, tiveram início no dia 31 de julho.

Desde essa data a organização tem realizado várias ações no sentido de perceber o que está na base desses atos, atribuídos pelos moradores à Zona Económica Especial e a sua execução a cargo de militares.

Segundo Rafael Morais, a SOS Habitat está a trabalhar com a comunidade, tendo já feito deslocações à Zona Económica Especial e à administração municipal de Viana.

Rafael Morais disse que dos contactos efetuados apenas foram atendidos pelo gabinete jurídico da administração municipal de Viana, onde foram informados que é do seu conhecimento o processo de demolições, mas as razões apenas o administrador está em condições dar.

Na administração municipal de Viana, a SOS Habitat ficou a saber de outras demolições na zona do Zango II, porque alguns moradores ali se encontravam para reclamação.

"Peguei essas vítimas e fomos a um bairro chamado Walale e vimos que a maior parte das demolições foram dirigidas para obras, que estavam a ser erguidas aí, algumas não foram partidas, porque os donos se encontravam no local e supostamente deram algum dinheiro aos senhores que estavam lá a demolir", avançou o responsável.

De acordo com Rafael Morais, as demolições continuaram até sábado, dia em que um menor de 14 anos foi baleado por um militar quando reclamava sobre a demolição das casas.

"Apercebi ontem (domingo) quando estava na igreja e dali desloquei-me para esse bairro, onde fui até à casa do óbito confirmar realmente a morte do rapaz de 14 anos", contou.

Os familiares da vítima informaram que o cadáver foi alegadamente levado por militares para parte incerta, depois de dispararem para dispersar os populares ao redor e apenas no sábado o corpo foi localizado numa morgue de Luanda, registado "como uma criança desconhecida que foi morta a tiro".

"Hoje fomos à morgue com os familiares (...) fez-se o registo oficial e mantém-se (o corpo) na morgue do (hospital) Maria Pia, sem condições para o funeral", disse Rafael Morais.

"A SOS Habitat vai avançar para outros passos, para a justiça, para que a justiça seja feita. Vamos ajudar a família a arranjar um advogado no sentido de poder saber o que é se passou ou de encontrar o autor do disparo contra o rapaz", disse.

Rafael Morais disse que no Zango II mais de 2.500 famílias foram afetadas pelas demolições e no Zango III mais de 620 residências.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.