sicnot

Perfil

País

Governo Regional desaconselha visitas turísticas às zonas altas da Madeira

LUSA

O Governo Regional da Madeira está a desaconselhar a realização de programas turísticos nas zonas altas e serras da ilha devido aos incêndios que começaram na segunda-feira na ilha.

"Atendendo a que a maioria dos percursos pedestres oficialmente homologados e aconselhados aos turistas, na Ilha da Madeira, encontram-se em áreas que, neste momento, estão ou poderão vir a ser afetadas, não é aconselhável a realização de programas, desta natureza, nas zonas altas e serras", refere um comunicado da Secretaria Regional da Economia, Turismo e Cultura (SRETC), disponibilizado no seu site.

Na mesma nota, este departamento do executivo insular insiste que o "setor turístico regional encontra-se, atualmente, a funcionar com toda a normalidade, estando apenas condicionado no que respeita ao acesso e usufruto das serras e de algumas áreas florestais".

A secretaria regional, baseando-se em informação da Presidência do Governo Regional e pela Secretaria Regional da Inclusão e Assuntos Sociais, que tutela o Serviço Regional de Proteção Civil, esclarece que "o Aeroporto da Madeira e o Porto do Funchal estão, neste momento, operacionais" e que o "serviço de transporte público, que serve a hotelaria regional, na cidade do Funchal, não foi, para já, afetado".

O Jardim Botânico da Madeira "Engenheiro Rui Vieira" e os "Teleféricos da Madeira" encontram-se, nesta altura, encerrados, como medida de precaução, assegura a mesma fonte.

No comunicado, a SRETC informa ainda que o ponto de situação acerca das zonas afetadas "estará em atualização permanente, no site oficial do Turismo da Madeira (visitmadeira.pt), em consonância com o Serviço Regional de Proteção Civil da Madeira".

Três pessoas morreram na terça-feira, no Funchal, na sequência dos incêndios que deflagraram no concelho na segunda-feira.

O fogo provocou ainda cerca de mil desalojados, entre residentes e turistas, e muitas casas e um hotel (Choupana Hills) foram afetados pelo fogo.

Os prejuízos materiais são avultados, mas não estão ainda contabilizados.

Cerca de 115 efetivos de Lisboa e outros 30 dos Açores foram enviados para a Madeira para reforçar as equipas no combate aos incêndios.

Lusa

  • Negócios do fogo
    22:00
  • "Não podemos gastar o dinheiro e depois os filhos e os netos é que pagam"
    2:05

    Opinião

    Miguel Sousa Tavares analisou esta segunda-feira, no habitual espaço de comentário no Jornal da Noite, o reembolso antecipado ao FMI. O comentador da SIC defendeu que seria mais vantajoso se Portugal reembolsasse mais depressa, antes da subida das taxas de juro. Miguel Sousa Tavares considerou ainda que o reembolso da dívida é uma boa notícia, pois seria "desleal" deixar a dívida para "os filhos e os netos" pagarem.

    Miguel Sousa Tavares

  • Os efeitos da tempestade Ana em Portugal
    1:43
  • Porque têm as tempestades nomes?
    0:49

    País

    As tempestades passaram a ter um nome, partilhado pelos serviços de meteorologia de Portugal, França e Espanha. Nuno Moreira, chefe de divisão de previsão meteorológica do IPMA, foi convidado da Edição da Noite da SIC Notícias para explicar que este método é também uma forma de sinalizar a dimensão das tempestades.

  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59

    Mundo

    A tempestade Ana não causou apenas estragos em Portugal, mas também na Galiza, com a queda de árvores e cheias nas zonas ribeirinhas. No norte da Europa, as baixas temperaturas provocaram fortes nevões e paralisaram a Grã-Bretanha, com voos cancelados, escolas fechadas e estradas cortadas.

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43