sicnot

Perfil

País

PM de Cabo Verde solidário com "situação terrível" na Madeira

O primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, disse hoje estar solidário com a "situação terrível" na Madeira devido aos incêndios e espera "que a ilha consiga ultrapassar a adversidade por cima".

"É uma situação de facto terrível que está a afetar a ilha da Madeira", disse Ulisses Correia e Silva à agência Lusa esta noite, à margem da apresentação pública da candidatura de Óscar Santos à Câmara Municipal da Praia.

Ulisses Correia e Silva indicou que já enviou uma mensagem ao seu homólogo português, António Costa, e que na quinta-feira vai enviar também ao presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, demonstrando solidariedade por este "momento difícil".

"Mas estamos convencidos de que a Madeira irá ultrapassar por cima mais esta adversidade", acrescentou à Lusa o chefe do Governo cabo-verdiano.

Correia e Silva disse que até o momento não tem nenhuma informação preocupante em relação aos cabo-verdianos que vivem na Madeira, mas garantiu que o Governo cabo-verdiano vai continuar a acompanhar a situação.

Os incêndios que deflagraram na Madeira na segunda-feira e hoje continuam a preocupar as autoridades provocaram cerca de mil deslocados e desalojados, entre residentes e turistas.

Lusa

  • BE acusa direita de bloquear atual comissão à CGD
    1:37

    Caso CGD

    O Bloco de Esquerda acusa a oposição de estar a fazer tudo para impedir as conclusões da comissão de inquérito sobre a Caixa Geral de Depósitos que está em curso. Numa altura em que PSD e CDS já entregaram o requerimento para avançar com uma segunda comissão, Catarina Martins defende que ainda há muita coisa por apurar sobre o processo de recapitalização do banco público.

  • Visita de Costa a Angola pode estar em risco
    2:26

    País

    A visita de António Costa a Luanda poderá estar em risco devido à acusação da justiça portuguesa contra o vice-Presidente de Angola. O jornal Expresso avança que o comunicado com a reação dura do Governo angolano é apenas o primeiro passo e que pode até estar a ser preparado um conjunto de medidas contra Portugal. Para já, o primeiro-ministro português desvaloriza a ameaça e mantém a visita marcada para a primavera.