sicnot

Perfil

País

Portugal já acionou sete vezes mecanismo europeu de proteção civil

© Duarte Sa / Reuters

Portugal já acionou sete vezes o mecanismo europeu de proteção civil, a última delas esta quarta-feira, e sempre para fazer face a incêndios, mas também já participou na ajuda a outros países, como Espanha ou Grécia.

O mecanismo europeu de proteção civil, criado em 2001, é uma bolsa de meios disponibilizados pelos Estados-membros da União Europeia (UE), que permite que outros peçam ajuda em casa de necessidade, por exemplo, incêndios, cheias ou sismos.

Participam no mecanismo os 28 Estados-membros, Montenegro e Noruega. Segundo a página oficial da UE, está em curso o processo de renovação da participação no mecanismo da antiga República Jugoslava da Macedónia, e Turquia e Sérvia assinaram recentemente acordos para preparar a sua adesão ao mecanismo.

A primeira vez que Portugal pediu ajuda à Europa foi no início de agosto de 2003, quando incêndios de grandes dimensões devastavam floresta, especialmente nos distritos de Portalegre e Castelo Branco. A 2 de agosto desse ano o então ministro da Administração Interna, Figueiredo Lopes, dizia tratar-se "de uma das piores situações de catástrofe dos últimos 20 anos".

Dois anos depois (2005), também em agosto, Portugal voltava a solicitar a ajuda dos parceiros, perante 134 mil hectares de floresta consumidos (até 22 de agosto) e várias de centenas de incêndios. Espanha mas também Itália e França fizeram chegar de imediato meios aéreos.

Em 2009, a Comissão Europeia voltou a ativar o mecanismo comunitário de proteção civil, em resposta a um pedido de Portugal. O pedido seguiu em agosto, devido à proliferação de incêndios florestais e o país recebeu o apoio imediato de dois aviões Canadair.

No ano seguinte, novamente depois de um pedido de Portugal, chegavam ao país, desta vez no fim de julho, mais dois aviões italianos de combate a incêndios, direcionados para as regiões mais afetadas.

Em Viseu e Braga, as chamas estavam nessa altura a ser combatidas também com o auxílio de meios espanhóis. No final de julho de 2010 as chamas fustigavam ainda os distritos de Vila Real, Aveiro, Viana do Castelo e Porto.

Em setembro de 2012, Portugal voltaria a pedir ajuda, face a centenas de incêndios (224 só no dia 03 de setembro), combatidos por milhares de bombeiros. Espanha e França disponibilizaram quatro aviões anfíbios pesados, mas nem assim se impediu que ardessem mais de 100 mil hectares e que morressem seis pessoas, quatro delas, bombeiros.

No final de agosto de 2013, seguiria para Bruxelas novo pedido de aviões Canadair, para combater incêndios de grandes dimensões, depois de outros já estarem em Portugal, ao abrigo de acordos bilaterais. Franceses e croatas responderam à chamada.

Só nesse mês registaram-se mais de 7.000 incêndios, que consumiram mais de 120 mil hectares de floresta e mataram nove pessoas. Num incêndio de agosto desse ano, morreram oito bombeiros e um civil, ficando feridos outros oito bombeiros.

O mecanismo europeu de proteção civil já foi acionado dezenas de vezes, e não só para fazer face a catástrofes dentro da Europa, tendo Portugal contribuído em algumas delas.

Inundações na Europa e nos Balcãs, um tufão nas Filipinas, epidemia de ébola na África Ocidental, um sismo seguido de tsunami no Japão ou a guerra na Síria são casos em que o mecanismo foi acionado.

No ano passado, a Croácia, perante um crescente afluxo de refugiados, ativou o mecanismo de proteção civil, algo que a Grécia também fez.

Através do mecanismo europeu, Portugal já ajudou a Espanha no combate aos incêndios, em 2006, ou a Grécia, no ano seguinte.

Em 2014, esteve a apoiar Cabo Verde, perante a erupção do vulcão da ilha do Fogo, e já tinha estado a prestar assistência quando de sismos no Haiti, Irão e Marrocos.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".