sicnot

Perfil

País

Arcebispo Zani lembra que mãe de Jesus foi "uma migrante"

O arcebispo Angelo Vincenzo Zani, que preside à peregrinação do Migrante e do Refugiado do Santuário de Fátima, lembrou que Maria, a mãe de Jesus, foi "uma migrante, que andou sempre na periferia".

O arcebispo, que é o secretário da Congregação para Educação Católica da Santa Sé, realçou que Maria, que fugiu para Nazaré, para o Egito, e, mais tarde, para Éfeso, "estabeleceu sempre casa".

O bispo de Beja, António Vitalino, responsável pela Pastoral da Mobilidade Humana, afirmou que se deve "evitar o radicalismo, cultivando os valores cristãos que são evangélicos, e que nos ajudam a resolver estes mesmos problemas", mas advertiu, que se deve ter responsabilidade no acolhimento.

O prelado afirmou que quem é acolhido deve ser integrado, respeitado como pessoa, "e não pode ser de forma irracional", ao "não ter uma resposta que ajude aquelas pessoas a estarem incluídas nas nossas sociedades, mesmo não tendo uma religião diferente".

"Os cristãos não olham à cor da pele, à raça, à religião, olham à pessoa, é a nossa missão. O refugiado, o outro que vem bater à nossa porta é uma pessoa, humana, que tem a mesma dignidade que nós", rematou, referindo que esta peregrinação em Fátima "serve para nos educarmos nestes valores cristãos".

O reitor do santuário, padre Carlos Cabecinhas, revelou que o santuário acolheu "uma família numerosa" que está a ser acompanhada por uma equipa técnica especializada e a quem estão a ser dadas condições materiais de vida, de educação e aprendizagem da língua portuguesa.

"A experiência tem sido positiva e tem havido um esforço de cada uma das partes", disse Cabecinhas, que se escusou a dar, evocando "razões de privacidade", a nacionalidade da "numerosa família" acolhida.

O bispo reconheceu que "ainda temos poucos [refugiados] cá" em Portugal, mas "somos confrontados em muitas partes deste mundo global com este fenómeno e somos desafiados a ver neles realmente esses rostos de misericórdia que Deus tem para connosco".

Eugénia Quaresma, da Obra Católica Portuguesa das Migrações (OPCM), disse que é necessário "desconstruir mitos" e defendeu "o diálogo intercultural e inter-religioso, o diálogo com a sociedade civil e com os políticos".

A responsável citou o exemplo da Virgem Maria, "que procurou discernir", afirmando que "nós hoje temos de fazer o mesmo discernimento, face a uma realidade assustadora que nos quer aprisionar no medo"

"A resposta continua a ser a mesma: fazer o bem sem olhar a quem e com coragem, que não é ausência de medo. É preciso continuar a reconhecer o rosto humano dos refugiados, dos imigrantes, dos emigrantes que estão lá fora e que não estão cá [em Portugal], no mês de agosto".

Eugénia Quaresma defendeu a necessidade de "desconstruir mitos [num processo que] nos ajude a perceber as manipulações políticas a que estamos sujeitos - políticas e não só".

"A educação, a formação e a misericórdia são os melhores instrumentos ao serviço da construção da família humana. A afirmação dos valores humano-cristãos nas nossas comunidades é o caminho que temos de percorrer", argumentou a responsável, segundo a qual "a cooperação e o trabalho em rede é o caminho a seguir na Pastoral das Migrações, e é o caminho a seguir na política migratória na União Europeia".

"Somos convidados a construir pontes e a aprender uns com os outros", rematou.

Lusa

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Dono de fábrica que ardeu na Anadia diz que produção não vai ser afetada
    2:04
  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espírito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espírito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Tragédia em Vila Nova da Rainha aconteceu há uma semana
    7:18
  • Doze meses de polémicas, ameaças e promessas
    3:52