sicnot

Perfil

País

Grandes fogos deverão ficar resolvidos este sábado, diz Proteção Civil

Os cinco grandes incêndios que ainda estão ativos deverão "ficar resolvidos" até à manhã de sábado, mas o estado de 'Alerta Laranja' mantém-se até 15 de agosto, anunciou esta sexta-feira o comandante operacional nacional da Proteção Civil.

"Até ao próximo dia 15 de agosto, o estado de prontidão vai manter-se ao nível em que está", anunciou hoje o comandante da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), José Manuel Moura, explicando que é nessa altura que, segundo as previsões, as condições meteorológicas "vão dar algumas tréguas".

Assim, o país vai continuar em 'Alerta Laranja', o segundo mais grave de uma escala de quatro, mas José Manuel Moura acredita que nas próximas horas a situação deverá melhorar, havendo nesta noite cinco incêndios ativos que preocupam a ANPC.

"Três têm muito potencial para ficar resolvidos até à meia-noite", disse José Manuel Moura, referindo-se aos fogos em Santo Tirso (no distrito do Porto), Vila Real (em Mondim de Bastos) e Resende (Viseu).

Neste momento, apenas os dois incêndios do distrito de Aveiro -- em Águeda e Sever de Vouga - continuam a ser "uma preocupação", resumiu.

Os fogos de Águeda e Sever de Vouga "deverão dar algum trabalho durante a noite, mas durante a próxima manhã acredito que estarão resolvidos", vaticinou.

"Em Viana de Castelo conseguimos eliminar todos as situações que aconteciam naquele distrito", disse, acrescentando que poucos minutos depois das oito da noite também o incêndio de Arouca "acabou por ficar dominado".

Entre a meia-noite e as 20:00 de hoje, a Proteção Civil registou 260 ocorrências em Portugal continental, que obrigaram à mobilização de 4.600 homens, 1.200 meios de apoio e 87 missões com meios aéreos. Foi ainda preciso mobilizar 31 grupos de reforço, enviados para o norte do país.

O comandante tem esperança de não vir a precisar dos dois aviões russos 'Beriev', que chegam esta madrugada a Portugal e que têm muito mais capacidade para transportar água do que os 'Cannadair'.

"O ideal era que viessem e não fosse necessário usá-los nos teatros de operações", concluiu.

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.