sicnot

Perfil

País

Linha da Beira Alta volta a estar interrompida, agora no troço Mortágua

A circulação na linha ferroviária da Beira Alta ficou esta sexta-feira novamente interrompida, a partir das 17:40, mas agora entre Mortágua (Viseu) e Pampilhosa (Aveiro), devido à ocorrência de incêndios, disse à agência Lusa fonte da Infraestruturas de Portugal.

Já a circulação no troço entre Carregal do Sal e Mortágua, que estava desde cerca das 14:30 interrompida devido a um incêndio no distrito de Viseu, foi restabelecida cerca das 17:30.

Segundo fonte da CP - Comboios de Portugal, os comboios regionais da linha ferroviária da Beira Alta têm ficado retidos nas zonas afetadas pelos incêndios, pelo que tem sido feito o transbordo dos passageiros através de autocarros.

O incêndio não está a afetar a estação ferroviária da Pampilhosa, porém o percurso da linha ferroviária da Beira Alta não permite chegar até à estação, pelo que a linha ferroviária do Norte não tem sido afetada.

Na quinta-feira à tarde, a linha ferroviária da Beira Alta foi encerrada no troço entre Santa Comba Dão e Carregal do Sal, devido a um incêndio na localidade de Castelejo, distrito de Viseu, tendo sido restabelecida às cerca das 00:30 de hoje.

Os distritos de Viseu e Aveiro têm sido dois dos mais afetados pelos incêndios que fustigam Portugal esta semana.

Lusa

  • "A nossa lei tem demasiados buracos"
    0:44

    País

    Rui Cardoso acusa a classe política de não querer resolver os problemas da corrupção em Portugal. Entrevistado na Edição da Noite da SIC Notícias o magistrado do Ministério Público considera que ainda há um longo caminho a percorrer no combate à corrupção.

  • Beyoncé e a irmã caem e o vídeo torna-se viral

    Cultura

    Beyoncé voltou este fim de semana a subir ao palco do Coachella, depois de ter atuado na primeira semana do festival que decorreu no deserto da Califórnia, nos EUA. A cantora norte-americana voltou a brilhar, mas foi o momento em que caiu no palco com a irmã, Solange, que acabou por se tornar viral.

    SIC

  • Cientistas querem sequenciar genomas de 15 milhões de espécies

    Mundo

    Um consórcio internacional de cientistas, que por enquanto não inclui portugueses, propõe-se sequenciar, catalogar e analisar os genomas (conjuntos de informação genética) de 15 milhões de espécies, uma tarefa que levará dez anos a fazer, foi divulgado esta segunda-feira.