sicnot

Perfil

País

Chamas queimaram 22% da área do concelho do Funchal

Os incêndios no Funchal queimaram cerca de 22% da área total daquele concelho da ilha da Madeira, anunciou esta quarta-feira o vereador das Finanças do município.

"No Funchal tivemos 1.666 hectares de área ardida. Isto representa cerca de 22% de todo o concelho", afirmou hoje Miguel Gouveia aos jornalistas no final de uma reunião com o secretário de Estado do Desenvolvimento e Coesão Social, Nelson de Souza, em Lisboa.

A Câmara do Funchal estimou em 61 milhões de euros os prejuízos provocados pelos incêndios da semana passada em prédios e infraestruturas do concelho, indica um relatório municipal hoje divulgado e que o vereador das Finanças da autarquia apresentou na reunião em Lisboa.

"Apresentámos o relatório que contempla a parte do domínio privado - 300 edifícios, entre moradias e comércio e serviços, 177 totalmente destruídos e 123 parcialmente. Este montante do domínio privado ascende a 36 milhões de euros de danos, só no município do Funchal. A outra parte, 25 milhões de euros, são danos no domínio público, infraestruturas municipais", disse Miguel Gouveia.

A Câmara do Funchal está agora "a analisar tecnicamente várias vertentes e alternativas de financiamento". "Não há um programa [de financiamento] que dê resposta aos vários problemas que a cidade tem que enfrentar. Estamos a analisar cada problema com um programa: habitação com o ProHabita, gestão de riscos com o POSEUR, reflorestação com o PRODRAM", referiu.

O vereador prevê que "as necessidades mais avultadas" sejam "na prevenção de riscos".

"Penso que aí será a maior fatia, onde contabilizamos só em consolidação de escarpas sensivelmente 15 milhões de euros de intervenções", afirmou.

Quando questionado sobre o dispositivo de combate aos fogos na Ilha, Miguel Gouveia defendeu que "o efetivo humano é baixo".

"Precisamos de mais bombeiros na Madeira, mas acima de tudo de mais meios, de dotar a Proteção Civil de mais meios para o combate a incêndios industriais, urbanos e também florestais", sublinhou.

Em relação aos meios aéreos de combate aos incêndios, que a Ilha da Madeira não tem, o vereador considerou que "falta testá-los".

"[Falta] fazer-se uma análise prática de meios aéreos. Se de facto são úteis façamos diligências no sentido de os obter para evitar outras catástrofes. Se não são, que se clarifique todas as pessoas que normalmente levantam esta questão", disse.

Os incêndios que atingiram a ilha da Madeira na semana passada afetaram sobretudo o concelho do Funchal, onde morreram três pessoas.

Também os concelhos da Ponta do Sol e da Calheta tiveram focos de incêndio.

Lusa

  • Prejuízos de 61 milhões no Funchal

    País

    A Câmara do Funchal estimou em 61 milhões de euros os prejuízos provocados pelos incêndios da semana passada em prédios e infraestruturas do concelho, indica um relatório municipal esta quarta-feira divulgado.

  • Câmara do Funchal vai reconstruir casas atingidas pelos fogos
    1:48

    País

    A Câmara do Funchal assumiu o compromisso de reconstruir as casas atingidas pelos incêndios. Os mais de 270 edifícios atingidos terão um prejuízo que ultrapassa os 55 milhões de euros. A Autarquia defende que a recuperação da Madeira tem de ter ajuda do Governo Regional e da República.

  • As crianças e o frio. O que vestir
    1:58

    País

    O médico Pedro Ribeiro da Silva, da Direção-Geral da Saúde, aconselha especial cuidado com as extremidades do corpo - usar luvas e gorros. E demasiado agasalhadas pode levá-as a transpirar mais e, consequentemente, desidratar.

  • Mortágua acusa PSD de andar a brincar com a vida das pessoas
    0:47

    Opinião

    No Esquerda/Direita da SIC Notícias, António Leitão Amaro reafirmou ontem à noite que o PSD não é contra o aumento do salário mínimo mas contra a descida da TSU. Já Mariana Mortágua acusou os sociais-democratas de andar a brincar com a vida dos portugueses.

  • Pelo menos 30 mortos e 75 feridos em incêndio e derrocada de edifício em Teerão

    Mundo

    Pelo menos 30 bombeiros morreram esta quinta-feira e cerca de 75 pessoas ficaram feridas em Teerão, quando um edifício de 17 andares ruiu depois de ser consumido pelas chamas, noticiaram os meios de comunicação estatais iranianos. O edifício "Plasco" situa-se no centro da capital iraniana, a norte da zona do mercado.

    Em desenvolvimento

  • Os finalistas do Carro do Ano 2017 são...
    0:53

    Economia

    São sete os escolhidos pelos jurados do Carro do Ano, iniciativa do Expresso e da SIC Notícias. À final chegaram o Citroen C3 Pure Tech, o Hyundai IONIQ Hybrid Tech, da Kia o novo modelo Optima Sportwagon 1.7 CRDi GT Line, o Peugeot 3008 Allure 1.6 BlueHdi, o Renault Mégane Sport Tourer Energy dCI, o SEAT Ateca 1.6 TDI CR Style e ainda o Volvo V90.