sicnot

Perfil

País

"Ninguém vai às urgências fazer turismo"

Entrevista SIC Notícias

"Ninguém vai às urgências fazer turismo"

Quase metade das pulseiras atribuídas nas urgências dos hospitais em Lisboa são "pouco ou não urgentes". Só no primeiro semestre deste ano as idas às urgências aumentaram em mais 134 mil relativamente ao ano passado.

O bastonário da Ordem dos Médicos esteve na Edição da Noite da SIC Notícias para falar do assunto. José Manuel Silva garante que "ninguém vai às urgências fazer turismo", se as pessoas lá se deslçocam é porque necessitam e aquele é o local onde conseguem obter respostas.

O bastonário diz ainda que chamar falsas urgências aos "verdes e azuis" do sistema de triagem é uma qualificação arbitrária, e vai longe dizendo que quando usam esta designação os responsáveis políticos estão a "sacudir a água do capote" e a fugir às suas responsabilidades.

  • Falsas urgências em Lisboa aumentam
    1:42

    País

    Metade das urgências nos hospitais da grande Lisboa foram falsas e a explicação pode estar na falta de médicos de família. Só no primeiro semestre deste ano e segundo dados da Administração Ccentral de Sistemas de Saúde as idas às urgências aumentaram em mais 134 mil relativamente ao ano passado.

  • Todos os distritos sob Aviso Amarelo devido ao frio

    País

    O Instituto Português do Mar e da Atmosfera colocou Portugal continental sob Aviso Amarelo na quarta e na quinta-feira. Os termómetros vão estar abaixo de zero em todo o território, à exceção dos distritos de Lisboa, Porto e Faro.

  • Motim em prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos
    1:09

    Mundo

    Um novo motim numa prisão brasileira fez pelo menos 30 mortos. A prisão, que é a maior do Estado do Rio Grande do Norte, tem capacidade para 600 reclusos mas acolhe quase o dobro. Após o motim de 14 horas, a polícia já tem o controlo total da prisão.

  • Aqui também se vive
    16:07
  • Austrália condena Japão por caça de baleias no Oceano Antártico

    Mundo

    O Governo da Austrália condenou hoje o Japão por retomar a caça de baleias no Oceano Antártico, após a divulgação de imagens de um cetáceo morto a bordo de um barco japonês que se encontrava em águas protegidas.O ministro do Ambiente, Josh Frydenberg, manifestou "profunda deceção", um dia depois de a organização Sea Shepherd divulgar fotografias e vídeos de uma baleia minke no barco japonês Nisshin Maru.